“Uma vez em terra, verificamos que a ilha se chamava Malta. Os bárbaros trataram-nos com singular humanidade, porque, acendendo uma fogueira, acolheram-nos a todos por causa da chuva que caía e por causa do frio.. Tendo Paulo ajuntado e atirado à fogueira um feixe de gravetos, uma víbora, fugindo do calor, prendeu-se-lhe à mão. Quando os bárbaros viram a víbora pendente da mão dele, disseram uns aos outros: Certamente, este homem é assassino, porque, salvo do mar, a Justiça não o deixa viver. Porém ele, sacudindo o réptil no fogo, não sofreu mal nenhum;”

Você já assistiu a uma série de tv chamada “Lost” (perdidos)? Essa produção americana da ABC Studios e Bad Robot Productions foi exibida entre os anos de 2004 e 2010 e é uma das mais caras produzidas até hoje.

A história fala de um grupo de pessoas das mais variadas classes sociais (policiais, médicos, presos, viciados, milionários, filhos e pais, casais felizes e em crises grávidas abandonadas…) que, após um acidente de avião, se veem em uma ilha estranha cercada de mistérios, ali eles vivem aprendendo a conviver em grupo, e de alguma forma tentando superar suas crises pessoais, torcendo para serem resgatados, ou achar um meio de voltar enquanto um mal terrível os espreita.

Bom, quero falar sobre uma situação parecida com a do filme. A Bíblia diz que Paulo foi enviado de navio para ser julgado em Roma, mas durante a viagem, uma forte tempestade se abateu sobre eles.

O navio encalhou e destroçou-se parcialmente, mas todos os ocupantes, cansados, exaustos, molhados, com fome e frio chegaram a uma ilha desconhecida. Após os esforços para chegar à praia, todos estavam exaustos e fracos (cap.27:44).

Quantas pessoas estão “lost” na vida. Perdidos, sem meta, perspectivas, sem esperanças, cansadas nas ilhas das doenças, da crise conjugal, do desemprego, das dívidas, das diferenças familiares, dos vícios pessoas com corações vazios, sem Deus em suas vidas.

Mas o que me chama a atenção neste texto é a atitude dos nativos da ilha e de Paulo o apóstolo. Eles, por serem tão solícitos e prontos para socorrer e acender uma fogueira para aquecer as vítimas, e ele, pelo fato de ser um dos que precisava ser socorrido e acalentado, preferiu desprezar o cansaço, a dor, o frio e foi ajuntar gravetos para alimentar a fogueira.

A série também ilustra algo deste tipo, pois em seu primeiro episódio, logo após acidente de avião, um dos personagens que era um médico e também sobrevivente, corria entre os destroços do avião para socorrer os feridos.

Sabe, creio que Deus espera esse tipo de atitude da sua Igreja. Ele sabe que muitas pessoas hoje estão perdidas e que necessitam de aquecimento e esperança e que somente a pregação das Boas novas de Jesus é que pode resgatá-las, mas a questão é onde estão os acendedores de fogueira e os ajuntadores de feixes?

Quantos de nós cristãos, queremos nos beneficiar dos cultos buscando ajuda espiritual, física e material, mas poucas vezes estamos interessados em assumir compromissos com o próximo. Será que teríamos a disposição de fazer uma visita, levar uma palavra amiga, orar por alguém, principalmente depois de um dia cansativo de trabalho, quando o mais cômodo seria ficar no sofá da sala?

O Pai celestial sabe como às vezes também nos sentimos cansados e desgastados, desanimados e desiludidos com tantas situações. Sabe que pelas feridas sofridas, a última coisa que queremos fazer é nos envolver com a obra. Mas entenda; Ele nos escolheu, você e eu para aquecermos as pessoas em Seu Nome!

Independente de como nos sentimos, a verdade é que nascemos e fomos salvos para levar a esperança Bendita, Cristo, às pessoas! E com certeza, enquanto estivermos servindo, Ele cuidará dos nossos, da nossa vida em todos os detalhes, e não sofreremos dano algum, porque é Fiel o que nos chamou!

Deus não desiste dos perdidos! E Ele sabe que por fim, muitos ajuntadores de feixes se levantarão, mesmo cansados, mesmo picados e atacados pelas serpentes da vida, e prevalecerão! A mensagem será levada e os ajuntadores sairão ilesos e vitoriosos!

Você entende o que nos está sendo proposto? Um novo ano diferente! Uma vida relevante! Esqueçamo-nos de nós mesmos e sirvamos a Deus e às pessoas com alegria!

E que venha da parte de Jesus, honra e paz.

Que seja assim em nossas vidas!

Deus abençoe; abração.

 

Raimundo.