Texto Bíblico: Lucas 15:11-24

 INTRODUÇÃO

O Reino de Deus não é composto de pessoas que nunca erraram, mas daquelas que um dia caíram em si, descobriram suas mazelas e correram para os braços de quem as podia perdoar. Veremos a trajetória na vida de alguém que se perdeu e encontrou o caminho da reconciliação.

  1. 1.      A Trajetória da Queda.
  1. Desejou se tornar independente – 15:12. O problema desse jovem rapaz começou em seu coração, quando passou a vislumbrar a possibilidade de ter uma vida mais livre, administrando a parte da herança que lhe cabia. Certamente, já imaginava poder fazer algumas coisas com o seu dinheiro que nunca seria permitido pelo pai se os seus bens estivessem ainda em poder dele.
  2. Decidiu sair de casa – 15:13. Não satisfeito com a posse dos bens, o jovem decide dar um passo a mais rumo ao que ele chamava de liberdade. Decidiu sair de casa. Com o dinheiro na mão e longe dos olhos do pai, estava pronto a começar sua grande aventura.
  3. Desperdiçou seus bens vivendo irresponsavelmente – 15:13. Mulheres, prazeres, comidas, bebidas e muito desperdício. Pródigo significa esbanjador, e assim ele extravasou tudo o que sentia estar reprimido por algum tempo em sua vida.

Precisamos tomar cuidado com alguns desejos que brotam e crescem em nosso coração, passando, às vezes, até mesmo a dominar nossas vidas. Devemos atentar principalmente para o desejo de querer fazer algo que nossos pais, cônjuges ou mesmo filhos, não possam ver.

  1. 2.      As Conseqüências da Queda.
  1. Começou a passar necessidade – 15:14. O que aquele jovem não podia contar é que suas decisões erradas logo resultariam em conseqüências não desejadas. O passar por necessidades foi o primeiro sinal de que as coisas não estavam bem.
  2. Sujeitou-se a cuidar de porcos – 15:15. Falar sobre cuidar de porcos num contexto judeu, era querer ilustrar que alguém estava totalmente fora do aceitável. Representava alguém em desespero que não achou absolutamente mais nada para fazer, além daquilo.
  3. Enfrentou fome e portas fechadas – 15:16. O fundo do poço no qual aquele jovem chegou era tão profundo a ponto de desejar comer a comida dos porcos, e ainda assim, não receber nada. “Ninguém lhe dava nada”, é o que afirma a Bíblia quando ele buscava se alimentar daquela comida.

O pecado na vida de alguém fecha a porta espiritual da bênção. Uma das áreas a ser afetada é a financeira. Prejuízo, doenças e amargura, também podem representar alguns dos sintomas de que as portas espirituais de bênção foram fechadas em relação a alguém.

  1. 3.      A Trajetória da Restauração.
  1. Caiu em si – 15:17. Como que retirando escamas dos olhos, o jovem percebeu que estava no caminho errado e que precisava voltar. Caiu em si. Ele se deu conta de que os empregados de seu pai eram mais prósperos que ele naquela condição.
  2. Arrependeu-se e humilhou-se no coração – 15:18-19. Foi então que em seu coração concebeu o arrependimento e a determinação de se humilhar perante aquele contra quem havia pecado. Ele estava consciente de que seu pecado era contra seu pai e contra os céus. Seu erro havia atingido o coração do pai terreno e também o do Pai Celestial.
  3. Agiu conforme propôs no coração – 15:20a. Seus atos posteriores estiveram em linha com a sua decisão interior. Não foi um breve remorso inconseqüente. Não! Ele realmente foi zeloso em dar provas concretas de que estava arrependido e disposto a reparar seu erro, ainda que pudesse perder os privilégios de filho.

Arrependimento significa mudança de coração, de pensamentos e de atitudes. Devemos sempre verificar se realmente nos arrependemos dos nossos erros ou se apenas sentimos alguma dor pela conseqüência dos mesmos. “O que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Provérbios 28:13).

  1. 4.      A Atitude do Pai.
  1. Moveu-se de compaixão – 15:20b. O pai dessa parábola foi maravilhoso! Movido de compaixão, conforme sempre se movia o coração de Jesus em favor dos necessitados, assim se movia seu coração. Quando isso acontece sempre um milagre aparece, ainda que seja o milagre do perdão.
  2. Restaurou-lhe a dignidade (roupas novas) – 15:22a. Vestes falam de justiça. As roupas daquele jovem estavam sujas e rasgadas, lembrando a sujeira do pecado. Mas novas vestes falam da restauração da justiça e da dignidade outrora perdidas.
  3. Restaurou-lhe a autoridade (anel no dedo) – 15:22b. Com um anel os reis da antiguidade selavam suas cartas e exerciam sua autoridade. O pecado nos rouba a autoridade espiritual, mas a liberação do perdão restaura a autoridade perdida.
  4. Restaurou-lhe a liberdade (sandálias nos pés) – 15:22c. Descalço, o jovem se apresentava diante do pai como um escravo, vendido pelos seus próprios erros. Mas o pai determina que ele seja calçado, quebrando o poder da culpa escravizadora e restituindo-lhe a condição de verdadeira liberdade.
  5. Restaurou-lhe a alegria (matou o novilho e festejou) – 15:23-24. Nem o pai nem o filho estavam felizes na condição anterior. O pai sofria por causa do grande amor que tinha pelo filho, e este sofria porque descobriu que a alegria que buscava era falsa, ilusória e passageira. De volta ao lar, a alegria foi restabelecida.

Assim é o amor de Deus por nós. Com amor perfeito Ele se move de compaixão em nosso favor e em favor dos que ainda hão de herdar a salvação. Ele nos restaura a dignidade, a autoridade, a liberdade e a alegria. Receba em seu coração uma nova condição de vida pela fé, em Nome de Jesus Cristo.

CONCLUSÃO

Esta linda parábola ilustra o grande amor do Pai para comigo e para com você. Estávamos perdidos em nossos caminhos, seguindo nossas vaidades e desejos inúteis. Mas Ele se compadeceu de nós, e, correndo ao nosso encontro na pessoa de Jesus Cristo, nos restaurou.

 Wilson Maia