Texto Bíblico: Lucas 19:11-27

INTRODUÇÃO

Na parábola de hoje precisamos compreender dois aspectos do Reino de Deus. O Reino de Deus espiritual que se manifesta imediatamente à conversão de uma pessoa ao Senhor Jesus Cristo, e o Reino de Deus terreno, que se manifestará em tempos futuros de forma política, visível e material. A Palavra de Deus nos ensina acerca desses dois aspectos:

  1. O Reino de Deus Espiritual – “E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós.” (Lucas 17:20-21). Esse é o tipo de Reino que se manifesta dentro do coração daquele que crê em Jesus após tê-lo recebido como seu Senhor e Salvador pessoal.
  1. O Reino de Deus Terreno – “E o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso SENHOR e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre.” (Apocalipse 11:15). Esse é o tipo de Reino que se manifestará em tempo oportuno, quando Cristo vier reinar sobre toda a terra a partir de Jerusalém.

Entre a manifestação dos dois tipos de Reino, no entanto, há um tempo no qual os seguintes valores devem primeiramente ser buscados:

  1. 1.      Confiança 

“E, chamando dez servos seus, deu-lhes dez minas, e disse-lhes: Negociai até que eu venha.” – Lucas 19:13

Avisando que teria de sair para conquistar um reino e que voltaria logo em seguida, o homem da parábola confia um determinado valor em dinheiro às mãos de alguns servos, para que estes busquem uma forma de negociação. Uma mina equivalia a aproximadamente o salário de três meses.

Jesus nos confiou a responsabilidade de expandir os seus negócios. Não se trata de uma busca por rendimentos financeiros, dinheiro, bens, ou coisa parecida; mas de vidas que possam ser salvas da morte, ganhas para o Reino de Deus e firmadas no único Caminho que pode levá-las ao céu.

                Você já se deu conta de que Jesus confiou a você essa responsabilidade? O valor a ser enfatizado nessa hora é a percepção da confiança que Ele depositou em nós para a realização de uma obra tão sublime como a de resgatar vidas. Privilégio que os anjos gostariam de ter (o de pregar o evangelho), mas que não lhes foi permitido (1 Pedro 1:12).

  1. 2.      Bondade

“E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade.” – Lucas 19:17

Ao voltar da conquista do reino, o homem chama aos servos para que prestem conta do que fizeram com as minas. Aos dois primeiros que investiram bem e que multiplicaram os rendimentos, o rei prestou elogios chamando-os de “servos bons”.

A bondade dos servos se manifestou através da forma como se empenharam em trabalhar para o seu senhor sem murmuração, e com um desejo sincero de fazer-lhe bem e de agradar o seu coração quando este voltasse. A bondade foi percebida na atitude de procurar os melhores resultados na negociação, colocando todo o coração e as melhores habilidades para se atingir um objetivo.

                A bondade é um gomo do fruto do Espírito Santo (Gálatas 5:22). Ela pode significar a disposição permanente de uma pessoa em fazer o bem. Você tem buscado desenvolver essa virtude em sua vida, servindo a Deus e ao próximo de todo coração?

  1. 3.      Fidelidade

“E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade.” – Lucas 19:17

Além da confiança e da bondade, o homem percebeu fidelidade em alguns dos seus servos, e os elogiou por isso.

Fidelidade por terem recebido uma incumbência e a levado a cabo. Eles foram fiéis por não se deixarem enredar por obstáculos ou dificuldades pelo caminho. A fidelidade os ajudou a se manterem firmes contra possíveis suspeitas acerca da integridade ou motivação de seu senhor. A fidelidade também afugentou a tentação de se entregar a possíveis deleites ou prazeres, de uma vez que o senhor não estava presente.

O Senhor espera encontrar em cada um de nós a mesma virtude de fidelidade. Elemento que se coloca muito acima de qualquer outra coisa que queira nos desviar de um propósito.

  1. 4.      Autoridade

“E ele lhe disse: Bem está, servo bom, porque no mínimo foste fiel, sobre dez cidades terás autoridade.” – Lucas 19:17.

Lembra-se de que no começo da lição falamos sobre dois tipos de reinos: o espiritual e o terreno? E que um já se manifesta agora de forma espiritual em nossos corações, e o outro há de se manifestar no futuro de forma terrena? Pois bem, o homem nobre da parábola, enquanto conquistava o reino, deixou alguns servos incumbidos de uma grande tarefa para saber quais deles estariam aptos para ajuda-lo no governo desse novo reino.

Jesus morreu na cruz para conquistar o reino espiritual que estava sob o domínio de Satanás. Ao fazê-lo, lançou os alicerces para o futuro reino terreno que há de se manifestar em breve. Os servos, a quem o Senhor confiou seus dons, habilidades e missão, somos nós. De acordo com a atitude de cada um, uma maior autoridade nos será conferida. E então reinaremos com Ele sobre a terra (Ap. 5:10; 20:6).

Você está se preparando para reinar com Cristo? 

CONCLUSÃO

Confiança, bondade, fidelidade e autoridade, foram as virtudes enfatizadas na lição de hoje que nos garantirão uma posição especial no reino de Cristo sobre a terra. O dia para aperfeiçoar essas virtudes é hoje, e o tempo é agora. Que possamos desfrutar no dia de hoje do reino de Deus espiritual plantado em nosso coração, enquanto nos preparamos para o reinado terreno, quando ele se manifestar.

 Wilson Maia