A BOTIJA DE AZEITE

Texto Bíblico: 2 Reis 4:1-7 RA

“Certa mulher, das mulheres dos discípulos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que ele temia ao SENHOR. É chegado o credor para levar os meus dois filhos para lhe serem escravos. Eliseu lhe perguntou: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. Ela respondeu: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite. Então, disse ele: Vai, pede emprestadas vasilhas a todos os teus vizinhos; vasilhas vazias, não poucas. Então, entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, e deita o teu azeite em todas aquelas vasilhas; põe à parte a que estiver cheia. Partiu, pois, dele e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; estes lhe chegavam as vasilhas, e ela as enchia. Cheias as vasilhas, disse ela a um dos filhos: Chega-me, aqui, mais uma vasilha. Mas ele respondeu: Não há mais vasilha nenhuma. E o azeite parou. Então, foi ela e fez saber ao homem de Deus; ele disse: Vai, vende o azeite e paga a tua dívida; e, tu e teus filhos, vivei do resto.”

INTRODUÇÃO

A palavra de hoje é para as situações da vida em que não conseguimos perceber que a solução do problema pode estar muito mais perto do que imaginamos. Atentemos para o ciclo que nos leva à liberdade.

1. Percepção do Problema e dos Valores.

A consciência de que havia um problema era real. Porém, mais do que consciente dele, ela estava decidida a não sucumbir diante dele. O que a fortalecia? A memória da integridade do marido enquanto vivo, e a certeza de que o sonho para os filhos não incluía a escravidão. Ela sabia que não podia olhar somente para o credor que batia à porta, e desprezar todo o legado de justiça e de sonhos que a família já tinha vivido. Foi essa percepção que lhe deu forças para buscar ajuda e encontrar solução.

Numa situação de crise precisamos aprender a olhar ao nosso redor e descobrir o que já foi construído. Certo casal decidido a se separar por causa dos inúmeros conflitos existentes, em um determinado dia, foi surpreendido por algumas evidências. Ao consultar os canhotos dos cheques emitidos ao longo dos anos de matrimônio, incluindo o pagamento dos móveis para a casa, as parcelas do carro adquirido para a família, as mensalidades da escola dos filhos, e tantas outras coisas que juntos haviam feito pelo lar, o marido, comovido, descobriu que o investimento tinha sido alto demais para tudo acabar daquele jeito. Conversou com ela sobre isso e juntos decidiram dar mais um passo.

Ver o problema é necessário, porém, descobrir os valores mais fortes do que ele, é mais importante ainda.

1. Uma Simples e Grande Descoberta.

Depois de relatar seu problema e seus valores ao profeta, restava saber qual a saída que ele apresentaria. “Que te hei de fazer?” – perguntou o homem de Deus. “Que tens em casa?” – continuou. “Nada, senão uma botija de azeite” – respondeu ela. O final da história já sabemos. O azeite se multiplicou, ela vendeu o azeite, pagou a dívida e viveu com o resto do dinheiro. Porém, antes do final da história, perguntamos:

- Não é interessante perceber que a solução do problema estava mais perto dela do que ela podia imaginar? Não é maravilhoso notar que as saídas de Deus não são complicadas nem inatingíveis?

Quando Jesus precisou alimentar a multidão proveu-se de apenas cinco pães e dois peixes de um menino que estava por ali mesmo. Da mesma forma, a botija de azeite estava dentro da própria casa da viúva. Há muitos recursos dentro de nós ou próximos a nós que por não serem percebidos ou descobertos a tempo podem nos sujeitar a necessidades. Testificamos isso quando nos deparamos com homens pedindo esmolas em faróis, quando poderiam sobreviver desenvolvendo o seu potencial de forma bem mais digna e criativa.

Talvez você tenha uma habilidade, um dom, um potencial, uma formação, uma herança, ou alguma coisa que lhe esteja bem disponível, porém, pouco ou mal empregada. Hoje o profeta lhe pergunta: “O que tens em casa?”.

1. Até Onde Você Pode Ir?

A viúva tinha uma botija cheia de azeite, mas precisava de muitas vasilhas emprestadas. Tantas quantas conseguiu com as vizinhas foram as que trouxeram para casa. O profeta ordenou que ela fechasse a porta e ficasse apenas com os filhos deitando nas vasilhas o azeite que ia se multiplicando na medida em que prosseguia na tarefa. O interessante foi que o azeite permaneceu se multiplicando enquanto havia vasilhas. Quando elas se acabaram, acabou-se o azeite. Parece-me que a quantidade de vasilhas que ela conseguiu com as vizinhas foi surpreendentemente enorme, pois a venda do azeite foi suficiente para pagar toda a dívida e ainda sobrou para ela viver do resto. A busca pelas vasilhas e a quantidade conseguida estava relacionada ao tamanho da sua fé.

“Seja feito conforme a sua fé” – acho que você já sabe quem é o autor dessa célebre frase. Sim, Jesus sempre honrou o tamanho da fé que seus seguidores puderam revelar. Poucas vasilhas, pouca fé. Muitas vasilhas, muita fé.

Até onde você pode ir com as suas vasilhas? Vasilhas que comportem o azeite da paciência, da tolerância, do ânimo, do encorajamento, da fidelidade, do amor, da pureza, da amizade, da sabedoria. Há muitas pessoas que não desistem de ir atrás das suas vasilhas na certeza de que Deus as encherá. É por isso que não faltam aos cultos, não desistem da faculdade, lutam por seus casamentos e se esforçam para não esmorecer em seus sonhos.

CONCLUSÃO

Seria muito importante você rever os valores que tem feito parte da sua história, combustível para se lutar diante das dificuldades. Perceber suas próprias habilidades e talentos, ou algo que lhe esteja disponível, e que multiplicando-se em sua mão quando descoberto e bem empregado, poderá ser de grande proveito para você e para os outros. Saber que a multiplicação do azeite depende de Deus, mas achar as vasilhas depende de você.

 

Wilson Maia dos Santos