Texto Bíblico: Mateus 20:1-16 

INTRODUÇÃO

Texto Bíblico: Lucas 15:1-7

O Reino dos céus é um reino de generosidade, onde o mais importante não é o que o homem faz por merecer, mas sim o que recebe sem mérito algum. Na parábola de hoje veremos sobre a atitude do senhor da vinha em relação aos que nela trabalharam por um dia. Observaremos como Deus manifesta sua generosidade para conosco.

  1. 1.     Chamando Trabalhadores Para a Sua Vinha – (20:1-7).

O senhor da parábola que chama trabalhadores para a sua vinha representa o nosso próprio Deus. Pela graça divina fomos salvos, perdoados de nossos pecados e libertos de nossas amarras para vivermos em novidade de vida. Além disso, através da mesma graça que agiu para a nossa salvação, também fomos chamados para trabalhar no Reino de Deus. Poderíamos trabalhar inteiramente de graça, apenas por gratidão pelo tanto que Ele nos fez. No entanto, o Pai decidiu nos recompensar, ainda que não merecêssemos coisa alguma.

Em várias passagens da Bíblia vemos falar sobre recompensa, galardão, retribuição, etc. (Gn. 15:1; Is. 40:10; Mt. 5:12; Mt. 10:42; I Co. 3:8; Ap. 22:12).

Portanto, mesmo sem merecimento algum, o Senhor nos chama para trabalhar em Seu reino e nos faz uma promessa de recompensa. No passado não éramos dignos de coisa alguma. Andávamos pela vida sem propósito, tristes e perdidos. Mas agora, por sua graça, além da nossa vida se encher de significado especial, fomos também chamados para servi-lo em Seu Reino com a promessa de uma grande recompensa. Glória a Deus por sua generosidade!

  1. 2.     Retribuindo Conforme o Seu Espírito Generoso – (20:8-15).

Os trabalhadores foram contratados para trabalhar a partir de horas diferentes do dia. Uns foram chamados às 6 horas da manhã, outros às 9h, outros ao meio-dia, outros às 15h, e os últimos às 17h. Provavelmente às 18 h. ou aproximadamente, encerrou-se o expediente de trabalho, quando o senhor da vinha chamou o administrador e pediu-lhe para pagar os trabalhadores começando pelos últimos. Ele já havia combinado com os primeiros que o salário deles seria de um denário (o referente a um dia de trabalho).

Quando os que trabalharam apenas uma hora (os que foram chamados por último), receberam um denário cada um, sendo assim também para com os demais trabalhadores chamados nas demais horas do dia, os primeiros então se queixaram alegando serem merecedores de um valor maior por terem trabalhado mais.

Jesus certamente quer mostrar nesta parábola que, rapidamente, podemos nos esquecer que não merecemos sequer o denário prometido. Facilmente nos esquecemos de quem éramos, míseros pecadores, e que pela graça fomos elevados a uma posição de servos, e até amigos do Rei. Bem facilmente somos tentados a olhar para o que os outros receberam ou têm recebido, e logo, achar que merecíamos também isso ou aquilo.

Para mostrar que não era por merecimento e sim por sua generosidade é que o senhor da vinha faz algumas coisas diferentes:

1)      Começa a pagar pelos últimos e não pelos primeiros;

2)      Paga aos que trabalharam menos a mesma quantia paga aos que trabalharam mais;

3)      Prova que não lesou a ninguém, mas que foi honesto para com os que trabalharam mais, e generoso para com os que trabalharam menos.

Portanto, a forma de pagamento aos seus trabalhadores não foi baseada na quantidade de horas trabalhadas, mas no espírito honesto e generoso de quem os contratou.

  1. 3.     Ensinando a Religiosos e “Pecadores”, Judeus e Gentios – (20:16). 

Nos dias de Jesus havia muitos religiosos que se julgavam ser os primeiros trabalhadores. Supunham conhecer mais as Escrituras, acreditavam ser os mais cumpridores da Palavra de Deus e merecedores de maior honra no Reino dos Céus. Em contrapartida, o evangelho estava sendo pregado também aos pobres em todos os sentidos. Muitos pecadores estavam se convertendo de suas iniqüidades e vindo para a luz do Senhor. Estes representavam os últimos, da última hora.

Jesus também certamente tinha em mente os judeus e os gentios (gentio é todo aquele que não é judeu). Os judeus receberam a Palavra primeiro que os gentios. No entanto, muitos gentios abraçaram a fé com muito mais intensidade do que muitos judeus.

Os primeiros trabalhadores, pelo tempo de trabalho deviam ser mais maduros. Porém, revelaram orgulho, inveja, competição, além do desejo de serem honrados. Não se alegraram com a generosidade do senhor da vinha em relação aos demais trabalhadores. Tiveram o mesmo descontentamento do irmão mais velho da parábola do filho pródigo, que não se alegrou com a volta ao lar do irmão que estava perdido.

Esse sentimento pecaminoso é que transforma os primeiros, em últimos. E aqueles que humildemente recebem o favor divino com coração agradecido e permanecem servindo com a mesma atitude, são promovidos de últimos a primeiros.

CONCLUSÃO

Deus é generoso para com os seus filhos e deseja que estes andem no mesmo espírito de generosidade para com os seus irmãos. O contrário disso é base para a inveja, o ciúme e todo espírito de julgamento, que, como erva daninha, contamina todo o campo.

APLICAÇÃO

Alegre-se com o que Deus tem feito na vida de outras pessoas, ou através delas. Elimine todas as possíveis raízes de insatisfação ou inveja em relação ao outro. Peça ao Senhor que lhe dê um coração generoso para sempre buscar o crescimento de outras pessoas, e também humilde para nunca se julgar mais merecedor do que elas.

Wilson Maia