RESPOSTAS PARA OS GRANDES PROBLEMAS DA VIDA

RICK WARREN

 Como desfrutar da paz interior? Lição 5 – Parte 2

 

INTRODUÇÃO

 

Na história de Moisés existe quatro aspectos que fizeram dele um homem capaz de desfrutar da paz interior, independente das circunstâncias que o rodeavam. Na semana passada vimos dois destes  aspectos: Saiba quem você é, e Aceite suas responsabilidades. Nesta semana veremos as outras duas. Temos certeza de que este estudo será benção para sua vida e seu caminhar com Deus.

3- Defina suas prioridades

Há uma outra questão que Moisés enfrentou. Ele preferiu ser maltratado com o povo de Deus a desfrutar os prazeres do pecado por algum tempo (v. 25). “Por amor de Cristo, considerou sua desonra uma riqueza maior do que os tesouros do Egito” (v. 26). Moisés enfrentou a questão das prioridades. Ele definiu o que era realmente importante em sua vida.

Do ponto de vista humano, o jovem Moisés tinha tudo. Ele tinha muito poder, muitos prazeres e muitas posses.

Uma grande parte da riqueza do mundo daquela época estava no Egito. Moisés tinha o que muitas pessoas passam a vida inteira tentando conse­guir: poder, prazer e posses.

Contudo Deus pediu a Moisés que fizesse algo mais importan­te e assim ele fez. Era uma questão de prioridades na vida. Como era considerado o filho da filha de faraó e estava numa posição de grande poder, Moisés bem que poderia ter pensado: “A situa­ção dos escravos é ruim; por isso vou permanecer no sistema e trabalhar pela reforma”.

Mas não foi isso o que Deus disse. Ele disse a Moisés: “Saia daí e mexa-se!”.

A maioria das pessoas quer:

  • Ser admirada em sua comunidade, mas há um grande problema com a popularidade: ela nunca dura. Você pode ser muito popular na universidade por algum tempo, mas, quando você retorna, alguns anos depois de formado, vai logo descobrir que ninguém o conhece. A popularidade é passageira.
  • Ter prazer. O prazer é algo errado? Não, não é errado sentir prazer, a não ser que ele seja seu deus. Vivemos numa sociedade obcecada pelo prazer: “Você vive apenas uma vez, por isso é melhor aproveitar”. “Faça o que lhe interessa.” “Se você se sente bem, faça.” Todavia também há um problema com o prazer: de igual modo, ele não dura. Moisés rejeitou os prazeres temporários porque tinha valores corretos; ele tinha seus olhos voltados para algo mais elevado.
  • Ter dinheiro. Não há nada de errado em se ter dinheiro. Alguns dos gran­des homens da Bíblia eram extremamente ricos, entre eles Jó, Abraão e Davi. Mas a Bíblia diz que a vida do homem não consis­te na quantidade de bens que possui (Lc 12.15). A riqueza sim­plesmente não traz felicidade plena: pergunte às pessoas ricas. Quanto dinheiro é necessário para ser feliz? Geralmente, só um pouquinho mais. O dinheiro deve ser usado, não amado. Deus quer que você use as coisas e ame as pessoas. Mas se você amar as coisas, então vai usar as pessoas. Moisés tinha as prioridades cer­tas; ele rejeitou os bens materiais porque havia algo mais impor­tante para sua vida.

4- Enfrente suas dificuldades

A última questão resolvida por Moisés foi a questão da perseve­rança. Você pode resumir a vida de Moisés praticamente em duas palavras: ele perseverou (Hb 11.27). É fato que:

  • Não há ganho sem dor
  • Não há ascensão sem adversidade
  • Não há progresso sem problemas.

A questão da perseverança exige que aprendamos como agir frente às dificuldades.

Moisés fez de sua vida um sucesso porque perseverou.

A chave para sua paz interior estava em que ele sabia que as dificuldades vêm para todos, sabia como reagir de forma correta e sabia seguir em frente.

Como cristãos, nunca deveríamos permitir que os problemas nos destruíssem; em vez disso, deveríamos deixar que os problemas nos aproximassem de Deus.

Alguém disse que os cris­tãos nunca deveriam deixar que os problemas os fizessem pros­trar-se, mas os levassem a dobrar os joelhos na presença do Se­nhor. Deus permite que situações como essas aconteçam em nossa vida por razões específicas.

Sem perseverança, você não irá longe na vida. A paz interior vem quando você assume a responsabilidade por suas escolhas. De­cida-se pelas prioridades de Deus e, então, persevere confiante.