RESPOSTAS PARA OS GRANDES PROBLEMAS DA VIDA

 RICK WARREN

COMO ME METI NESTA ENCRENCA? – LIÇÃO 10 – PARTE 1

Compartilhe: Quais erros você já cometeu mais de uma vez? O que acha que colaborou para que os cometesse? Como se sentiu? O que fez depois do ocorrido?

Vamos ler Jz 13:1-5

Contexto Histórico

Sansão foi uma pessoa consagrada desde o ventre materno. Essa consagração compreendia o voto de nazireu, ou seja, Sansão não deveria passar navalha em sua cabeça e nem beber nada relacionado ao produto da vinha. O propósito de Deus era usá-lo para livrar Israel dos filisteus. Na época de Sansão não havia ainda a monarquia. Assim, Israel era governado por juízes que eram levantados por Deus a fim de trazer livramento dos opressores.

Desse modo, quando Israel pecou e tornou a fazer o que era mau perante o Senhor, este o entregou nas mãos dos filisteus. Deus levanta, então, Sansão como juiz a fim de livrar o seu povo do jugo opressor.

Sansão era extremamente forte (Jz 15:14), e os inimigos queriam saber de onde vinha essa força e como neutralizá-la. Dalila, a mulher de Sansão, persuade-o até que descobre o segredo de sua força: Descobriu-lhe todo o coração e lhe disse: Nunca subiu navalha à minha cabeça, porque sou nazireu de Deus, desde o ventre de minha mãe; se vier a ser rapado, ir-se-á de mim a minha força, e me enfraquecerei e serei como qualquer outro homem (Jz 16:17). Dalila, então, trai a confiança de Sansão e revela seu segredo ao inimigo. Ela fez Sansão dormir em seus joelhos e, tendo chamado um homem, mandou rapar-lhe as sete tranças da cabeça. Tendo Sansão enfraquecido, os filisteus conseguiram finalmente capturá-lo e lhe vazaram os olhos.

Introdução

- Sansão foi juiz de Israel por vinte anos. Ele tinha tudo a seu dis­por, mas, por estar sempre se prejudicando, pode-se dizer que seu pior inimigo era ele mesmo.

- Sansão possuía uma força sobrenatu­ral, tinha boa aparência e Deus trabalhava a seu favor; mesmo assim, ele estragou tudo. Desperdiçou sua vida e atraiu para si todo tipo de problemas.

- Sansão exemplifica os três problemas mais comuns que cau­samos a nós próprios, problemas que ainda hoje enredam as pessoas, pois a natureza humana é universal e todos nós ten­demos a cair nas mesmas armadilhas.

- Sansão arruinou sua vida porque fez três escolhas fatais.

- Se pudermos identificar essas três armadilhas, poderemos resolver as dificuldades que esta­mos enfrentando agora e também evitaremos problemas no futuro.

- A história completa da vida de Sansão encontra-se em Juízes, nos capítulos de 13 a 16, mas analisaremos apenas os princípios de sua vida — as coisas que complicaram a vida de Sansão e que podemos evitar.

- Esta semana estudaremos apenas dois desses problemas que enredam as pessoas.

1. Aprendendo com nossos erros

- Antes de mais nada, procuraremos problemas se nos recusarmos a aprender com nossos erros.

- Sansão tinha duas grandes fraquezas em sua vida e ele nunca aprendeu a controlar nenhuma delas.

- Elas o afligiram por toda sua vida e terminaram por levá-lo à ruína.

- Sua primeira fraqueza era um temperamento ruim.

- Ele fi­cava irado com muita frequência; as explosões eram comuns. Uma das principais motivações de seus atos era a vingança. Sansão matou trinta homens para conseguir suas roupas, pois estava ar­dendo de raiva (Jz 14.12-19); incendiou um campo apenas para se vingar (15.3-5). Veja o que Sansão disse a um grupo de ho­mens dos quais não gostava: “Já que fizeram isso, não sossegarei enquanto não me vingar de vocês” (v. 7). Mais tarde, ele disse: “Fiz a eles apenas o que eles me fizeram” (v. 11) e, depois, matou outros mil homens.

- Toda a vida de Sansão parecia ser movida pela ira e ele nunca controlou totalmente seu problema.

- Ele se recusou a aprender com seus erros e, por isso, cometia-os repetidamente.

- A outra fraqueza de Sansão eram os incontroláveis desejos de sua carne.

- Ele era fisicamente forte, mas moralmente fraco.

- De igual modo, ele nunca controlou esse problema e foi isso que o arruinou. Aliás, a vida de Sansão foi um patético ciclo de fracas­sos. Ele nunca aprendia e continuava cometendo os mesmos er­ros vezes sem fim. Para ele, isso era uma espécie de jogo: “Quão perto do fogo posso chegar sem me queimar? Quão próximo da­quele penhasco posso chegar sem cair?”.

- Sansão ignorava deliberadamente os princípios de Deus, em especial na área dos desejos da carne.

- Sansão brincou dessa forma com Dalila. Ela perguntava qual era a fonte de sua força e Sansão a enganava, mas cada resposta que ele dava fazia com que ela chegasse cada vez mais perto da verdade.

- Enquanto brincava com ela, ele estava brincando com a tentação e, por fim, acabou-se queimando.

- Todos nós temos a tendência de agir assim. Dizemos: “E só desta vez. Uma vez só não tem problema. Vou-me preocupar só desta vez; vou ficar de­primido só desta vez; vou tentar isto ou aquilo só desta vez”.

- Ne­nhum de nós planeja fracassar — isso nos acontece gradualmen­te. É um processo que acontece passo a passo, do mesmo modo como vamos enfraquecendo aos poucos. Nossa vida não desmo­rona em um dia; o problema cresce durante o tempo em que nos recusamos a aprender com nossos erros.

- Talvez você esteja dizendo: “Mas esta é uma área de minha vida sobre a qual não tenho controle. Sou sempre derrotado. É uma área de fracasso crônico e não sei como obter vitória nesse aspecto. Eu sou assim mesmo”.

- A boa notícia é que Deus diz: “Eu lhe darei poder para sair desse círculo de fracassos”. Quando finalmente Sansão fez isso, Deus quebrou o ciclo de fracassos e lhe deu vitória.

 Compartilhe: Quais são suas fraquezas? O que o tem levado constantemente à derrota?

 Que tal orar a respeito dessas fraquezas pedindo a graça e poder de Deus para vencê-las?

2. Escolhendo nossos amigos

- O segundo princípio que aprendemos com a vida de Sansão é o de que estamos procurando problemas se escolhemos os amigos errados.

- Alguém sabiamente disse: “Se você quer voar com as águias, não pode correr com os perus”.

- Você acabará ficando igual às pessoas com quem passa a maior parte de seu tempo.

- Por isso é tão importante escolher sabiamente os amigos.

- Sansão foi derro­tado por suas más companhias. Ele não mantinha relacionamen­tos saudáveis embora Deus o tivesse escolhido para uma tarefa especial. Até mesmo o nascimento de Sansão foi um milagre. Antes de ser concebido, sua mãe não podia ter filhos. Deus disse a ela que teria um filho especial que libertaria Israel dos filisteus. Por isso, Sansão era especial desde seu nascimento, mas seus amigos o desencaminharam.

- Deus tem um propósito especial para cada um de nós, mas, se procurarmos os amigos errados, acabaremos em apuros.

Compartilhe: Seus ami­gos impedem-no de viver 100% para Deus? Você é destruído ou edificado por eles? Você precisa agir de maneira diferente daqui­lo que gostaria de fazer? Essas são perguntas desafiadoras. O livro de Provérbios adverte-nos muitas vezes sobre as más compa­nhias.

- A exposição constante a atitudes e a valores errados ter­minará cobrando seu preço em nossa vida e é mais fácil levar alguém para o buraco do que tirá-lo de lá.

- Que tipo de amigos você deveria ter? O tipo que o ajuda a manifestar o que você tem de melhor, que o levanta, que o enco­raja, que faz de você uma pessoa melhor.

Conclusão

- Como é importante aprender com nossos erros para não andarmos em círculos, derrotados, e fugir das sutis armadilhas que tentam nos envolver em encrencas.

- É necessário escolher bem os amigos, pessoas que nos ajudem a manifestar o que temos de melhor, que nos levantam e nos encorajam, que fazem de nós pessoas melhores.

- Seguindo esses passos viveremos uma vida plena em Deus!

- Durante esta semana, pense a respeito de seus amigos. Com quem gostaria de passar mais tempo para que pudesse ser mais edificado? Ligue para ele (a) e fale a respeito.