RESPOSTAS PARA OS GRANDES PROBLEMAS DA VIDA

 RICK WARREN

COMO POSSO TRIUNFAR SOBRE A SOLIDÃO? – Parte 1

 Compartilhe: O que é solidão para você? Você já se sentiu solitário?

A solidão é um dos sentimentos mais terríveis que uma pessoa pode ter. Às vezes você pode sentir que ninguém o ama, que ninguém nem mesmo se importa se você existe. Não é preciso sequer estar sozinho para se sentir solitário: você pode se sentir sozinho no meio de uma multidão. Não é o número de pessoas ao seu redor que determina a solidão; é o seu relacionamento com elas. No mundo urbano em que vive­mos, nunca as pessoas viveram tão próximas e se sentiram tão distantes ao mesmo tempo.

 Compartilhe: Alguém pode ser rico e solitário? Alguém pode ser famoso e solitário? Alguém pode ser bonito e solitário? Pergun­te às estrelas de cinema que pensam em cometer suicídio. Alguém pode ser casado e solitário? Pergunte às pessoas que se casaram devido à solidão e que, alguns anos depois, se divor­ciaram pela mesma razão.

 Todo mundo sofre de solidão em algum momento da vida, mas há causas e curas distintas para esse mal. Às vezes, nós mesmos nos conduzimos à solidão, mas, em outros momentos, vivemos situações inevitáveis além do nosso controle. Era numa dessas condições que o apóstolo Paulo estava quando escreveu sua se­gunda carta a Timóteo (provavelmente a última que ele escre­veu). Paulo era um idoso prestes a morrer quando escreveu, de uma prisão em Roma, ao seu bom amigo Timóteo, insistindo que, por ser mais moço, viesse visitá-lo, pois estava só.

 Compartilhe: O que provoca a solidão?

 Há quatro causas básicas para a solidão:

- Transição: a primeira causa são as tran­sições da vida. A vida é cheia de transições e fases. Envelhecer causa uma série de mudanças e qualquer mudança pode levá-lo à solidão. Você enfrentou a solidão quando entrou na escola. Enfrentamos a solidão quando conseguimos um emprego. Mu­dar de emprego é algo solitário. Perder um ente querido é algo solitário.

Paulo está passando pela transição final de sua vida. Ele sabe que seu tempo é curto — e está se sentindo solitário. Ele diz: “Eu já estou sendo derramado como uma oferta de bebida. Está próxi­mo o tempo da minha partida” (2Tm 4.6). O que ele, na verda­de, está dizendo é: “Meu tempo é curto. Eu sei disso. Posso ser martirizado por Nero muito em breve. Se não for, morrerei devido à idade avançada”. Visto que Paulo passa seus últimos dias sozi­nho, ele diz: “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé. Agora me está reservada a coroa da justiça” (v. 7,8). A pri­meira causa da solidão são simplesmente as transições da vida. Qualquer experiência nova com a qual tenhamos de lidar pode ser uma experiência solitária. Para piorar as coisas, tendemos a isolar as pessoas que estão morrendo. Setenta por cento das pessoas que se encontram em asilos nunca são visitadas por ninguém.

 - Separação: a segunda causa básica da solidão é a separação. O isolamento — estar longe de seus amigos, de sua família (devido à carreira, ao serviço militar ou qualquer outra razão) — pode causar soli­dão. Paulo diz a Timóteo: “Procure vir logo ao meu encontro” (v. 9). Em seguida, Paulo menciona seus melhores amigos; con­tudo, nenhum deles está com ele, exceto Lucas. Paulo está numa prisão num país estrangeiro dizendo: “Sinto saudades dessas pes­soas”. Esses eram os melhores amigos de Paulo, seus antigos com­panheiros de viagem. Paulo era um homem simples; ele amava estar com as pessoas e nunca ia a lugar algum sozinho. No entan­to, agora, no final da vida, ele experimenta a solidão da separa­ção porque seus amigos estão em outros países.

Hoje você pode pegar um telefone e ligar para alguém. Mas, naqueles dias, Paulo não podia simplesmente estender o braço e falar com uma pessoa que estivesse num lugar distante. Levava muito tempo para se chegar até alguém. Paulo sentia-se solitário, pois estava afastado de seus amigos. Por duas vezes nesta passagem (v. 9,13) ele pede a Timóteo que venha estar com ele e, mais adiante (v. 21), diz: “Procure vir antes do inverno”. Por que ele diz isso? Ele está dizendo: “Ti­móteo, eu posso não estar aqui por muito tempo. E eu quero mui­to ver você. Venha ver-me”.

Quem você precisa procurar? Para quem precisa escrever uma carta de agradecimento? Você precisa fazer isso agora, enquanto ainda há tempo. Ajude a aliviar a solidão de alguém.

 - Oposição: a terceira causa básica da solidão é a oposição. Paulo diz: “Ale­xandre, o ferreiro, causou-me muitos males” (v. 14). Em outras palavras, ele está dizendo: “Eu não apenas estou ficando velho e sozinho nesta prisão, como também estou sendo atacado”. Não sabemos o que Alexandre fez a Paulo. Talvez tenha difamado o nome de Paulo ou atacado sua reputação. Talvez ele estivesse fazendo com que as pessoas se voltassem contra Paulo. A palavra grega traduzida como “males” neste versículo significa literal­mente opor-se ou resistir. Sofrer oposição vigorosa cria um genuíno sentimento de solidão.

Algumas das coisas mais cruéis podem ser ditas por crianças que brincam no parque. Você se lembra de quando era criança e todos se uniam contra você? De repente, durante o recreio, a inconstante balança da popularidade pendia para o outro lado e todos ficavam contra você: “Você não é mais nosso amigo!”. To­dos se opunham e você se sentia sozinho. Atravessar uma experiên­cia dolorosa como essa — sofrer rejeição enquanto todos os ou­tros estão se divertindo — faz com que você se sinta solitário. Ser mal-entendido, envergonhado e humilhado leva à solidão. Quando isso acontece, somos tentados a nos fechar em nossa concha e erguer muros ao nosso redor. No entanto, fazer isso só nos torna mais solitários ainda.

 - Rejeição: a quarta causa básica da solidão é a mais séria de todas, a que causa mais dor. É a solidão da rejeição. Ela acontece quando você sente que foi traído, foi esquecido, foi abandonado na hora da necessidade pelas pessoas mais próximas a você.

Paulo sentia-se assim; ele se sentia abandonado. Em relação ao seu julgamento perante Nero, Paulo diz: “Na minha primeira defesa, ninguém apareceu para me apoiar; todos me abandona-ram” (v. 16). É quase possível ouvir a dor na voz de Paulo: “Quan­do as coisas complicaram, todos se foram. Quando o julgamento esquentou, ninguém estava aqui”. Ninguém falou em sua defesa; todos escaparam. A rejeição é uma das coisas mais difíceis com as quais um ser humano pode lidar. É por isso que o divórcio é tão doloroso e é por isso que Deus abomina o adultério: é uma trai­ção e isso machuca vidas. É uma infidelidade, um desprezo, um abandono, e é uma experiência muito dolorosa. Deus diz que todo ser humano tem a necessidade emocional de aceitação e violar essa necessidade é um pecado muito sério.

Na próxima semana aprenderemos como lidar com a solidão. Que Deus te preencha completamente com o Seu amor!