Desafios da Vida Cristã

Lição 16: Tirarmos os nossos olhos do que é visível e olharmos para o invisível

“Não atentando nós nas cousas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas.” 2ª Cor. 4:18.

Quando entregamos a nossa vida a Jesus, o autor e consumador da nossa fé, começamos a enfrentar alguns paradoxos (contradições). A nossa vida cristã se torna contrária a muitas coisas que fazíamos, todas de uma forma bem natural.
Somos chamados para viver, não para este mundo, mas para aquele que criou este mundo.
O mundo jaz no maligno, tem o pecado como algo normal. Ele tenta nos atrair com oportunidades ilimitadas, com o intuito de distrair a nossa atenção para com Deus e o seu reino, para tudo aquilo que é valioso na nossa nova vida. Estas distrações, podem nos atrasar em nossa jornada rumo a eternidade do reino de Deus (Hb. 12:1), fazendo-nos tropeçar e até cair. Toda distração pode se tornar um pecado para nos derrubar. Precisamos pedir a Deus que abra os nossos olhos e nos mostre claramente tudo o que em nossas vidas ainda pertence a este mundo. Seja o que for, devemos jogar fora. Deus precisa nos ajudar a livrar-nos de tudo o que é embaraço, para que nada nos impeça de fazer o que é importante para Ele, nesta vida.
Paulo no texto de 2a Cor. 4:18, nos fala de uma perspectiva eterna. Ele nos ensina que precisamos ver as coisas temporais (que são passageiras) à luz das coisas que são eternas. A nossa motivação deve ser baseada naquilo que é invisível e eterno, não nos prazeres passageiros deste mundo.
Quando estamos experimentando uma enfermidade terrível, perseguição ou dor, a nossa maior esperança é a certeza de que esta vida não é tudo o que há; existe vida após a morte! Quando temos a certeza de que estaremos com Deus para sempre, num lugar sem pecados e sofrimentos, somos levados a viver acima da dor que enfrentamos neste mundo.
Nossas dificuldades não devem diminuir a nossa fé (Hb. 11:1), nem nos desiludir. Devemos enxergar cada dificuldade, como uma oportunidade para Deus demonstrar o seu poder sobre as nossas vidas.
A perspectiva eterna é que movia a vida de Paulo, seu ministério e tudo o que fazia. Esta motivação levou Paulo a pregar o evangelho, enfrentando a dor e o risco de morte.
E nós? O que nos motiva?

Pr. Geraldo Lazzarini Junior