VITÓRIA NO DESERTO
LIÇÃO3 – O DEUS DA SEGUNDA CHANCE – 2ª Parte

Semana passada vimos parte da história de Sansão e como é importante estarmos atentos para que as ciladas do inimigo não nos roube as bençãos de Deus. Esta semana daremos sequencia a este estudo.  Desejamos que através dele possamos viver o propósito que Deus tem reservado para cada um de nós.

3. A consagração quebrada

A tática do diabo para seduzir Sansão entre as vinhas não obteve êxito. Da mesma forma, a artimanha para fazê-lo tocar no cadáver do leão também não surtiu o efeito desejado. Por último, o inimigo usou uma mulher para induzi-lo a cortar os cabelos. E quando, enfim, os cabelos de Sansão foram cortados, ele perdeu todas as forças, e foi entregue por Dalila aos filisteus. Levado para o cárcere, furaram-lhe os olhos e obrigaram-no a rodar um moinho (Jz 16.19-21).

As consequências imediatas da consagração quebrada são estas:

  • Perdemos o poder para vencer o pecado e subjugar o inimigo.
  • Perdemos a liberdade conquistada em Cristo. Por causa do pecado, muitos que outrora foram libertos vivem agora debaixo das cadeias do diabo.
  • Perdemos a visão, o discernimento e a sensibilidade espiri­tual.
  • Perdemos a direção espiritual. Por causa das cadeias espiri­tuais que nos prendem, passamos a andar em círculos.

A consagração é sempre seguida pela unção. E todas as vezes que o óleo desce sobre nós, a luz de Deus ilumina o nosso interior; e, dessa forma, sabemos para onde ir e como chegar lá. Quando não há consa­gração, gastamos muita energia e produzimos quase nada, em virtude das cadeias espirituais que nos subjugam. Mas, se a unção estiver sobre nós, vemos o que outros não vêem, fazemos o que outros não fazem, avançamos enquanto outros desistem.

Infelizmente, entre os filhos de Deus, existem muitos cujos corações ainda não são consagrados a Deus e, consequentemente, vivem uma vida de fracassos e derrotas. Este, porém, não é o final da história de Sansão, nem precisa ser o final da nossa própria história. Em Juizes 16.22, somos informados de que o cabelo de Sansão começou a crescer de novo. É in­teressante como o cabelo não cresce instantaneamente. Assim também, a restauração da consagração quebrada não ocorre instantaneamente, e sim, paulatinamente. Deus não desistiu de Sansão; antes, deu-lhe uma segunda chance. Isto significa que a posição anterior pode ser restituída.

4. A segunda chance

Antes de obtermos uma segunda chance, precisamos dar os seguintes passos:

a)    Deixar o cabelo crescer de novo – (o cabelo significa submissão ao Senhor). Isso implica abandonar o pecado e restaurar a nossa consagração a Deus.

b)    Clamar ao Senhor – No cárcere, Sansão clamou ao Senhor. E quando o fez, reconheceu que Deus era Senhor, e que a força de que precisava só poderia vir dele (Jz 16.28).

c)    Exterminar os inimigos que nos aprisionavam – Após ter clamado ao Senhor, Sansão abraçou-se com as duas colunas que sustentavam a casa e fez força sobre elas. E a casa caiu sobre ele e sobre os filisteus, matando-os. E foram mais os que Sansão matou, ao morrer, do que os que matara em vida (l6.29-30).

Jamais poderíamos nos esquecer de que o poder de Deus se manifesta através da nossa fraqueza. A vitória de Sansão manifestou-se na morte. Do mesmo modo, as obras do diabo somente serão destruídas em nossas vidas, quando nos dispusermos a negar o próprio “eu”. Para declararmos a morte do “ego”, precisamos negar nossos direitos e reivindicações, nosso orgulho e arrogância, nosso desejo de justiça e de vingança.

A nossa jornada, obrigatoriamente, deve levar-nos à cruz, pois é somente nela que vencemos o diabo. Antes da glória, vem a humilhação; antes de nos sentarmos no trono, temos de ser pregados na cruz; antes de recebermos a coroa de glória, temos de receber a coroa de espinhos. Quando nos dispomos a morrer para o nosso “eu”, os nossos inimigos são destruídos. A maior vitória de Sansão foi realizadada na morte. O mesmo acontecerá também conosco. Todas as vezes que tomarmos a cruz, o inimigo será subjugado.

Durante seu ministério terreno, Jesus exerceu autoridade sobre os demônios, expulsando-os das pessoas. Mas, de acordo com a Palavra de Deus, Jesus somente triunfou definitivamente sobre os demônios (prin­cipados e potestades), quando morreu na Cruz (Cl 2.15). Observe que o mesmo acontece com muitos irmãos, que vivem expulsando demônios, mas nunca alcançam a vitória. Não digo que não devemos expulsar demônios; é claro que devemos. Mas se quisermos uma vitória completa, a vitória no casamento está na cruz. A vitória na vida financeira também está na cruz. Por que precisamos trazer nossos dízimos e ofertas à Casa de Deus? Porque, quando os entregamos, estamos nos negando a nós mesmos e fazendo a vontade de Deus. Dessa forma, o espírito de pobreza é derrotado, e as bênçãos podem ser liberadas sobre nós. A vitória, em todas as áreas de nossas vidas, está na cruz. A verdadeira vitória eu não a conquisto através da força; mas, pela fé, eu a recebo das mãos de Deus.

Finalmente, a Palavra de Deus diz que Sansão foi enterrado entre Zorá e Estaol (v. 31). Você sabe o lugar onde Deus começou a operar na vida de Sansão? Justamente entre Zorá e Estaol (Jz 13.25). O lugar onde a vida de Sansão chegou ao fim foi justamente o mesmo do início. Isto quer dizer que, simbolicamente, ele foi restituído à sua posição original.

Deus concedeu a Sansão uma segunda chance, e o restaurou. Nós também podemos receber essa segunda chance e sermos restaurados. Aquilo que éramos e fazíamos no princípio, pode ser novamente restitu­ído a nós. Podemos começar no Espírito e terminar no Espírito. Ainda que no meio do processo tenham ocorrido tropeços, isso não significa o fim de tudo. Deus está com as suas mãos estendidas, oferecendo-nos uma segunda chance. Ele é o Alfa e o Ômega, o começo e o fim. Ele está no começo e também estará no fim, para nos dar o final que desejamos (Jr 29.11).

Compartilhe

3. Sansão gostava de passear entre as vinhas. Mesmo sabendo que, como nazireu, não lhe era permitido comer uvas, ele sempre dava um jeito de passar perto dos parreirais. Essa atitude é tão parecida com a nossa maneira de agir que, por um instante, julgamos que somos nós – e não ele – que estamos vivendo esses fatos. Na verdade, nós também, apesar de não podermos comer as uvas do parreiral do mundo, gostamos do cheiro delas.

A.   Que tipo de influência as pessoas e o ambiente ao redor exercem sobre você?

B.   Quando isso acontece, você deixa-se levar e abre mão de seus princípios? Aceita sem questionar essas opiniões contrárias?

C.   Você é capaz de identificar o que ou quem mais exerce influência em suas decisões? Como você avalia as consequências de decisões tomadas sob a pressão dessas influências?

4. Em Juizes 16.22, somos informados de que o cabelo de Sansão começou a crescer de novo. É interessante como o cabelo não cresce ins­tantaneamente. Assim também, a restauração da consagração quebrada não ocorre instantaneamente, e sim, paulatinamente. Deus não desistiu de Sansão; antes, deu-lhe uma segunda chance. Isto significa que a posição anterior pode ser restituída.

A.   Leia Juizes 16.1,4-20. Em que as atitudes de Sansão, nos episódios relatados nesses versículos, configuram um abuso da graça de Deus? Você tem feito o mesmo?

B.   Quem se aproveita da graça de Deus como pretexto para pecar, provavelmente não entende o verdadeiro significado dessa graça. Você concorda com esta afirmação? Explique.