VITÓRIA NO DESERTO
Lição 9/15 – O PODER DA PRESSÃO – Parte 2

A semana passada estudamos sobre a pressão e vimos a sua importância em nossas vidas, pois ela permite que conheçamos a nossa realidade, mas não somente isso, também produz a realidade desejada por Deus para seus filhos. Hoje veremos que a pressão produz poder.

A pressão produz poder.

- Existe uma íntima relação entre pressão e poder. Muitos de nós temos buscado o poder de Deus, mas não entendemos que o poder é o resultado da pressão. Muitos têm pedido poder a Deus, mas não sabem o que realmente estão pedindo. Em resposta, Deus lhes enviará mais pressão para produzir poder.

- Tomemos como exemplo as leis da natureza. Se levarmos uma panela de pressão com água ao fogo, no final, ela produzirá vapor. Se a panela estiver destampada, o vapor escapará – não terá para nós uti­lidade alguma. Entretanto, se tamparmos a panela, o vapor será contido e, depois de algum tempo, produzirá uma grande pressão. Finalmente, a pressão libera o poder para cozinhar qualquer alimento dentro da panela.

- Esse mesmo princípio produz a energia ou poder que move quase todos os tipos de motores utilizados em carros, trens e navios. Todos eles são movidos pelo poder que vem sob a forma de pressão. Então, o poder é proporcional à pressão. Quanto mais pressão, mais poder; quanto menos pressão, menos poder.

- Deus quer que conheçamos Seu poder; por isso, Ele permite que sejamos expostos às pressões. O problema é que muitos de nós somos como a panela sem tampa sobre o fogo, a qual não produz pressão alguma. Aprendemos a conviver com as lutas e tribulações de tal forma que não sentimos a força da pressão sobre nós. Esse é o motivo por que muitos não têm provado do poder de Deus em suas vidas.

- É preciso tampar a panela. Mas como fazemos isso? Quando nos recusamos a conviver com determinadas circunstâncias. Como foi dito, as pressões vêm de muitas fontes: do inimigo, das circunstâncias, do pecado, das enfermidades e até mesmo da obra de Deus. Em todas elas, Deus quer que conheçamos o poder de sua ressurreição. – Suponha que você esteja desempregado. Se você é como uma panela destampada, sim­plesmente se prostrará e se resignará diante dessa situação. O fogo veio, mas não produziu pressão alguma. Todas as vezes que nos resignamos e deixamos de orar, nada mais somos do que uma panela destampada.

- Suponha, porém, que nessa mesma situação você se levante e diga: “Eu não aceitarei ficar desempregado! Deus prometeu que eu comerei do trabalho de minhas mãos. Eu vou encontrar um emprego.” Nessa situação, você ora uma vez, e nada parece acontecer. Você ora uma se­gunda vez, com uma pressão interior maior, e ainda nada acontece. Na terceira vez, você nem ora; ao contrário, berra e grita com um clamor de alma. Veja: a pressão está aumentando e o poder da oração também. Na quarta vez, você simplesmente geme diante de Deus assim como fez Ana, embriagada nas próprias lágrimas (l Sm 1). Quanto mais o tempo passar, maior será a pressão interior e também maior será o seu poder na oração.

- Você entendeu agora por que a oração de muitas pessoas é completamente ineficaz? Porque são destituídas de poder. Não foram geradas por uma necessidade, uma pressão interior. O primeiro princí­pio da oração respondida é exatamente este: necessidade. Se realmente necessitamos de algo e nos recusamos a viver sem aquilo, então oramos. Nesse nível, só nos resta esta alternativa: ser uma panela tampada que produz pressão e poder.

- Há uma relação proporcional entre o poder e a pressão. Se desejarmos o poder, é necessário que saibamos lidar com a pressão. Não há poder sem uma pressão equivalente.

Compartilhar: Por qual motivo você tem orado muito tempo e ainda não obteve resposta? Por que acha que ainda não alcançou sua resposta? Você acha que tem relação com o texto compartilhado?

Vejamos como a pressão produz o poder de Deus em diversas cir­cunstâncias de nossas vidas:

1. A pressão para vencer o pecado (Rm 8.1-2, Gn 39:7-12)

Muitos de nós aprendemos a conviver com o pecado em nossas vidas. Somente experimentaremos libertação se o desejo de libertação produzir uma pressão tal que o poder da oração seja liberado. Alguém que tem problemas com a ira, por exemplo, depois de definir que não vai mais aceitar esse pecado em sua vida, começa então a orar. No início, as orações serão em um tom moderado, mas depois de algum tempo, em forte clamor, com lágrimas e, então, o poder se manifestará. Precisamos ter uma atitude semelhante em relação a cada pecado. Muitos irmãos não experimentaram ainda uma vitória completa, porque não chegaram a esse nível de insatisfação e de pressão interior por mudança.

Compartilhar: Que pecados ou hábitos você ainda não venceu? Como tem sido suas orações a esse respeito?

2. A pressão das necessidades (I Sm 1)

A pressão faz com que a oração seja poderosa. Quando buscamos algo com muito empenho, não descansamos até receber a resposta. Isso é poder canalizado. O primeiro princípio da oração não se firma na fé, nem em alguma promessa da Palavra, mas na necessidade. Não se conforme com a sua condição de vida se Deus tem prometido algo melhor para você. Mas lembre-se de que Deus somente lhe dará aquilo que você realmente quer. Esse querer, gerado pela necessidade, gera uma grande pressão e poder na oração. Não se conforme com menos do que o melhor de Deus. Lembre-se de que Deus tem permitido essa tribulação para que você possa conhecê-Lo como Jeová Jiré, o Senhor provedor.

Compartilhar: Qual tem sido hoje sua maior necessidade?

3. A pressão das circunstâncias (Livro de Ester)

- Existe uma manifestação na Bíblia, conhecida como o poder da ressurreição (Et 3.10). O que vem a ser esse poder? Uma ilustração nos permitirá entendê-lo melhor. Suponhamos que você, antes de tornar-se cristã, fosse uma pessoa conhecida e elogiada pela paciência com que enfrentava as vicissitudes da vida. De repente, então, você se converteu e, justamente agora, a sua paciência se esgotou. Você começa a orar para obter paciência. Em resposta à sua oração, Deus permite que venham situações adversas sobre você, justamente nas áreas em que a sua paciência se esgota, para capacitá-lo a tornar-se paciente. A paciência que você demonstrava anteriormente, era natural. Esta, agora, é espiritual. Veio da ressurreição. Ê fruto de uma crise entre você e Deus, regada com lágrimas e clamor.

- A pressão é importante para podermos experimentar o poder da ressurreição do Senhor. Muitos de nós trazemos coisas naturais para a vida com Deus. O Senhor, então, permitirá que nos sobrevenham muitas pressões para que essas virtudes naturais cessem e alcancemos aquelas que vêm do Espírito.

4. A pressão da obra de Deus (At 16:16-26)

Muitos obreiros não são bem-sucedidos na obra de Deus porque não conhecem o poder das lágrimas que fluem da pressão. A obra de Deus é regada com muitas lágrimas. Paulo serviu a Deus com lágrimas, e esta é também a forma como devemos servir ao Senhor hoje. Se a pressão interior por unção, revelação ou poder na vida da Igreja forem suficientemente grandes, isso vai produzir uma pressão em alta escala. As orações que fluirão dessa pressão serão carregadas de poder e detonarão o mover de Deus.

Compartilhar: Você já abandonou a obra de Deus por causa de pressões?

5. A pressão do inimigo (I Pe 5:8, Tg 4:7)

O que precisamos hoje, na vida da Igreja, é de gente que te­nha um profundo desejo de ver as obras do diabo desfeitas. Quando o inimigo vier como torrentes de águas, deixe fluir, de você mesmo, um clamor carregado de ânsia, zelo e necessidade. Não seja como uma panela destampada, que deixa escapar o vapor. Não olhe para as obras do diabo sem sentir antes uma profunda indignação. E essa indignação, canalizada na oração, detonará a dinamite do poder e da vingança do nosso Deus.

Compartilhar: O que deixa você indignado ao ver as opressões e laços do diabo?

Conclusão

Em oração agradeça a Deus pelas pressões que tem passado e medite como elas têm colaborado para seu crescimento e fortalecimento espiritual.