Clique aqui para ouvir a 1ª Aula do módulo Discipulado Pastoral
LIÇÃO 25 – TRIBULAÇÃO, 2ª VINDA, MILÊNIO e JULGAMENTOS

Outras Aulas da Escola de Formação: clique aqui.

ESTUDO BIBLICO SOBRE ACONTECIMENTOS ESCATOLOGICOS

Texto bíblico: Mateus 24 e 25

INTRODUÇÃO

Duas perguntas são dirigidas a Jesus: 1) Quando sucederão estas coisas, ou seja, quando acontecerá a destruição do templo e da cidade de Jerusalém? 2) E que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século? Com base nessas perguntas é que Jesus passa a relatar o que há de acontecer num futuro próximo (destruição do templo e da cidade de Jerusalém), e no futuro mais distante (tribulação e 2a vinda). Vamos estudar as respostas que Jesus deu a essas perguntas:

I – QUANDO SUCEDERÃO ESTAS COISAS?

Lucas 21:20-24 responde a essa primeira pergunta quando Jesus relata o que aconteceria em breve na ocasião da destruição do templo e da cidade. Na verdade, essa profecia já se cumpriu literalmente no ano 70 A.D. através da invasão do Imperador Tito. Como os discípulos perceberiam que esse momento já estava para chegar? O sinal era este: “Quando, porém, virdes Jerusalém sitiada de exércitos, sabei que está próxima a sua devastação”.

II – E QUE SINAL HAVERÁ DA TUA VINDA E DA CONSUMAÇÃ0 DOS SECULOS?

Respondendo a essa segunda pergunta, Jesus tem o devido cuidado de apresentar várias situações que aconteceriam, como por exemplo, a vinda de muitos falsos profetas, guerras, rumores de guerras, mas afirmando que nada disso era sinal do fim, sendo apenas o princípio de dores. No entanto, quando o anticristo estivesse no templo profanando o Lugar Santo, então sim, esse seria o verdadeiro sinal do fim.

Mateus 24:4-8 é um resumo dos acontecimentos que marcarão o período chamado de “princípio das dores”. Esse é o tempo que antecede ao período da tribulação de sete anos que há de vir sobre toda a terra. Provavelmente o princípio das dores já faz parte da nossa própria época onde já podemos perceber as mesmas coisas acontecendo em nossos dias. Vejamos:

• surgimento de muitos dizendo ser o Cristo enganando a muitas pessoas, noticiários de guerras e de rumores de guerras,

• nações se levantando contra outras nações,

• fomes e terremotos em vários lugares,

Mateus 24:9-28 é um relato de todo o período de sete anos, denominado como o período de TRIBULAÇÃO, que acontecerá logo após o arrebatamento da igreja. Esse ciclo de sete anos será divido em duas partes de três anos e meio cada. Os últimos três anos e meio serão chamados de A GRANDE TRIBULAÇÃO, porque a intensidade de sofrimento e perseguição será muito maior.

2.1 – A PRIMEIRA PARTE DA TRIBULAÇÃO vs. 9-14 (Apocalipse 6-1:0)

Os primeiros três anos e meio de tribulação serão marcados pelos seguintes acontecimentos:

• o povo judeu será grandemente atribulado: “então sereis atribulados”, bem como todas as nações,

• haverá morte e ódio contra arqueies que amam o Nome de Jesus,

• haverá escândalos, traição e ódio de uns para com os outros,

• surgimento de muitos falsos profetas que conseguirão enganar a muitos,

• multiplicação do pecado enfraquecendo o exercício do amor,

• necessidade de perseverar até o fim para ser salvo; o que significa, demonstração de fé genuína no Senhor que não se estraga, apesar das grandes provas sofridas durante o período de tribulação, levando-se em conta que o objetivo divino nesse período para com o povo de Israel é de prová-lo e de purificá-lo,

• pregação do evangelho do Reino por todo o mundo,

• “Então virá o fim”.

2.2 -A SEGUNDA PARTE DA TRIBULAÇÃO vs. 15-28 (Apocalipse 11-19)

Com as palavras de Jesus “então virá o fim”, Ele introduz a narrativa dos acontecimentos que marcam o fim dos tempos, ou os últimos três anos e meio de tribulação que antecedem a Segunda Vinda. Esses anos são chamados de A GRANDE TRIBULAÇÃO e terão os seguintes acontecimentos:

• A revelação do anticristo profanando o templo de Jerusalém (Daniel 9:27).

• Perseguição terrível do anticristo contra os judeus, de forma que salvar suas próprias vidas será muito mais importante do que estar preocupado com qualquer bem material (vs. 16-18).

• As que estiverem grávidas ou amamentando nesses dias terão piores condições de fuga, naturalmente.

• No inverno as condições de viagens são mais restritas (Nos tempos mais antigos as embarcações ficavam ancoradas durante três a quatro meses no inverno, impossibilitando assim a realização de viagens).

• No sábado havia um limite quilométrico para se fazer alguma viagem. Jornadas mais longas não eram permitidas nesse dia.

• Tribulação qual nunca houve e nunca haverá jamais.

• Declaração dos escolhidos. Quem serão eles? Ap. 7:4-8 fala dos 144.000 judeus que são selados por Deus e que serão poupados dos tormentos provocados pelos espíritos malignos durante o período de tribulação (Ap. 9:4).

• Surgimento de muitos falsos cristos e falsos profetas que farão muitos sinais e prodígios tentando enganar, se possível fora, os próprios eleitos, levando muitos a dizerem: o Cristo está aqui ou ali.

• Advertência de Jesus: “Não acrediteis neles”, porque a Sua vinda será tão visível como o relâmpago que sai do oriente e se mostra no ocidente. O símbolo do relâmpago aqui não está relacionado à rapidez com que Cristo virá e sim com a visibilidade da Sua vinda, propiciando a todos O verem. De forma que seria impossível Cristo estar no interior da casa ou no deserto sem que todos o tivessem visto chegar.

O ditado popular “Onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão os abutres” nos dá a entender que foi usado por Jesus para demonstrar que uma vez que o cadáver estivesse ali, naturalmente os abutres seriam atraídos àquele lugar, assim como na vinda do Filho do homem: uma vez chegando à terra, todos os olhos seriam atraídos para a mesma direção.

2.3 – A AÇÃO DO ANTICRISTO DURANTE A TRIBULAÇÃO (Dn. 9:27 – Ap.13 – II Ts. 2 – Mt.24)

• Ele é a besta que saiu do mar, ou seja, a besta que saiu dentre os povos.

• Ele fará aliança com muitas nações por uma semana (uma semana na linguagem profética representa 7 anos) e terá autoridade sobre cada tribo, povo, língua e nação, inclusive recebendo adoração de todos os que não estiverem escritos no livro da vida (Ap. 13:7-8).

• No entanto, no final dos três anos e melo, quebrará sua aliança com Israel, não permitindo que os judeus continuem oferecendo sacrifícios a Deus, e reivindicando adoração para si mesmo no templo de Jerusalém. Com essa atitude ele profanará o templo que deveria ser usado para adoração única a Deus (Mateus 24:15, II Ts. 2:4), e desencadeará uma grande perseguição contra o povo judeu (Mateus 24:15-20).

• Ele começará a agir na metade da tribulação, ou seja, nos últimos três anos e meio, mais conhecido como o período da GRANDE TRIBULAÇÃO (Apoc.13:5, 11:2).

• Em parceria com o falso profeta, será implantado um novo sistema de controle através de um número, o número da besta, sem o qual ninguém poderá comprar ou vender. Esse número é 666 (Ap. 13:16-18), e sela definitivamente para o inferno, todos os que receberem tal marca na mão direita ou na fronte.

Ele será vencido e lançado no lago de fogo juntamente com o falso profeta, por ocasião da segunda vinda de Cristo (II Ts. 2:8, Ap. 19:20).

PERGUNTAS DIVERSAS

I – Como será a vida física dos santos no milênio?

a) terão a capacidade de desaparecer – Lc. 24:31,

b) terão a capacidade de aparecer subitamente – Lc. 24:36,

c) o corpo será de carne e osso, porém, glorificados, ou corpos espirituais – Lc. 24:37-40,

d) terão a capacidade de comer- Lc. 22:28-29; 24:41-44; Gn. 18:1-8.

2 – 0 que acontecerá com os demônios durante o milênio? (Isaias 24:21-23)

R.: Serão ajuntados como presos em masmorra, encerrados num cárcere, e serão castigados depois do milênio.

3- Qual será a duração dos anos de vida no milênio para aqueles que não tiverem corpo glorificado? (Isaias 65:20)

R. No mínimo viverão cem anos.

4- Haverá pecado no milênio? (Is. 26:10, 65:20, Zc. 14:16-18, Ap. 20:7-9) R. Sim.

5 – Quantas ressurreições ainda haverá? (Extraído dos comentários de Scotfield)

R.: Duas ressurreições ainda estão no futuro, que são inclusivas de “todos os que se acham nos túmulos” tanto justos como injustos. São diferenciadas como a “primeira ressurreição”, que é para a “vida” (Jo. 5:28-29; I Co. 15:22-23; I Ts.4:14-17; Ap. 20:4-6) e a segunda ressurreição, que é para “o juízo”, isto é, julgamento (Jo. 5:28-29; Ap. 20:56, 11-13). São separadas por um período de 1.000 anos (Ap.20:5).

a) A “primeira ressurreição”, para a vida, acontecerá na vinda de Cristo, tanto através do arrebatamento levando os crentes do período da Igreja (Co.15:23; I Ts.4:16-17), como na ocasião que vier para pisar na terra, ressuscitando os mártires do período da tribulação. Esses dois acontecimentos, ainda que em períodos diferentes, fazem parte da “primeira ressurreição”, que destina-se para a “vida”. Os crentes do Velho Testamento vão igualmente participar da primeira ressurreição. Alguns defendem que estes serão ressuscitados com a igreja (I Ts. 4:16-17; I Co. 15:51-53), antes da tribulação; outros defendem que é mais harmonioso com as Escrituras do V.T. incluir os crentes do V.T. com aqueles que vão ressuscitar depois da tribulação (Ap. 20:4-6), porque ambos, Isaias e Daniel, mencionam a ressurreição dos santos do V.T. acontecendo após um período de grande sofrimento (ls. 26:16-21; Dn. 12:1-3).

b) A “segunda ressurreição”, para o julgamento, acontecerá depois de 1.000 anos (Jo. 5:29). A ressurreição do corpo dos ímpios mortos não foi descrita. Eles serão julgados de acordo com as suas obras e serão lançados no lago de fogo (Ap. 20:7-15).

6 – Para onde foram os espíritos dos mortos do Antigo e do Novo Testamento?

a) Os pecadores que morreram sem Deus tanto do Antigo como do Novo Testamento foram e estão indo para o mesmo lugar chamado “Hades” ou “lugar dos mortos”, e estão esperando o Juízo Final (Lc. 16:19-31).

b) Os justos do Antigo Testamento foram para o “Seio de Abraão” ou “Paraíso”, localizado no interior da terra; e lá ficaram até a ressurreição de Jesus, de onde os transportou para o paraíso celestial. Esses justos, embora já estando na presença de Deus, aguardam a ressurreição de seus corpos, que acontecerá por ocasião do arrebatamento, ou, mais provavelmente, por ocasião da ressurreição dos mortos justos do período da tribulação (Lc.16:19-31; Ef.4:8-10).

c) Os justos do Novo Testamento, ou seja, os que morrem em Cristo atualmente, vão para o paraíso celestial gozar da presença de Deus e aguardar a ressurreição de seus corpos por ocasião do arrebatamento da igreja (II Co. 5:8; Fp. 1:23; Lc. 23:43; 11 Co. 12:1-4).

OS JULGAMENTOS

1 – Julgamento dos pecados dos crentes (Jo. 12:31)

• Já realizado na cruz,

• Os crentes não serão mais julgados com a possibilidade de irem para o inferno, pois seus pecados já foram julgados,

• Referências bíblicas: Jo. 5:24; Rm. 8:1; Hb. 9:26-28; 10:14-18.

2- Auto-julgamento do crente (I Co. 11:31)

• Para se evitar castigos ou consequências naturais do erro,

• Castigo sim, condenação não,

• Referências bíblicas: II Sm. 7:14-15; 12:13-14; I Co. 5:1, 4-5; I Tm. 1:20.

3- Julgamento da igreja -II Co.5:10-11, Rm.14:10-12, I Co. 4:5

• Quando? Após o arrebatamento,

• Onde? No céu, no chamado “Tribunal de Cristo”- II Co. 5:10,

• O que será julgado? Apenas as obras e não mais “o pecado”,

• Os pecados já foram julgados na cruz através de Cristo, os quais não mais serão lembrados – Hb.10:17, Jo.12:31,

• O julgamento será para receber ou deixar de receber galardão – Ap. 22:12, II Tm.4:8,

• Esse julgamento não possibilita a ida para o inferno.

4 – Julgamento das nações ou povos vivos na ocasião da segunda vinda de Cristo – Mateus 25:31-46

• Quando? Após a tribulação, por ocasião da segunda vinda de Cristo,

• Onde? Na terra,

• Quem será julgado? Todas as pessoas vivas sobre a terra na ocasião do retomo de Cristo. Personagens: As ovelhas = os gentios salvos; Os cabritos = Os gentios não salvos; Os irmãos = Os judeus espalhados entre as nações.

• A base para o julgamento será o tratamento dado pelos indivíduos gentios àqueles a quem Cristo chama de “meus irmãos”, ou seja, o povo de Israel perseguido terrivelmente no período de tribulação, expostos à fome, sede, desamparo, nudez, enfermidade e prisão.

5- O julgamento dos anjos caídos – Judas 6

• Quando? Provavelmente na ocasião do juízo final (Compare II Pe. 2:4 com Ap. 20:14),

• A igreja participará do julgamento dos anjos – I Co. 6:3,

6- O julgamento final (Juízo Final) – Ap. 20:11-15

• Os réus de juízo serão todos os mortos ímpios de todas as épocas,

• A base do julgamento serão as obras de cada um,

• Haverá graus diferentes de castigo para cada um – Mt. 10:15, 11:22,

7- O julgamento dos seres espirituais da maldade:

• realizado na cruz – Jo. 12:31,

• O cumprimento da sentença:

1. da besta e do falso profeta – Ap. 19:20,

2. de Satanás temporariamente – Ap. 20:1-3,

3. de Satanás definitivamente – Ap. 20:10.