“Eu, João, irmão vosso e companheiro na tribulação, no reino e na perseverança, em JESUS, achei-me na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de DEUS e do testemunho de JESUS.

Achei-me em espírito, no dia do SENHOR, e ouvi, por detrás de mim, grande voz, como de trombeta,
dizendo: O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas: Éfeso, Esmirna, Pérgamo, Tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia.
Voltei-me para ver quem falava comigo e, voltado, vi sete candeeiros de ouro
e, no meio dos candeeiros, um semelhante a filho de homem, com vestes talares e cingido, à altura do peito, com uma cinta de ouro.
A Sua cabeça e cabelos eram brancos como alva lã, como neve; os olhos, como chama de fogo;
os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas.
Tinha na mão direita sete estrelas, e da boca saía-Lhe uma afiada espada de dois gumes. O Seu rosto brilhava como o sol na sua força.
Quando o vi, caí a seus pés como morto. Porém ele pôs sobre mim a mão direita, dizendo: Não temas; eu sou o primeiro e o último
e Aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno.
Escreve, pois, as coisas que viste, e as que são, e as que hão de acontecer depois destas.
Quanto ao mistério das sete estrelas que viste na Minha mão direita e aos sete candeeiros de ouro, as sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete candeeiros são as sete igrejas.

Apocalipse 1.9-20
(Almeida Revista e Atualizada)

Palavra ministrada pelo pastor Wilson Maia dos Santos no Culto da Família do domingo de 09 de Novembro de 2014