DE VALNICE MILHOMENS À IGREJA

PALAVRA APOSTÓLICA À INSEJEC PARA 2013

VOCÊ É UM OFICIAL DE JUSTIÇA DE YHWH 

Somos os Oficiais de Justiça de YHWH, o Supremo Juiz. Um Oficial de Justiça é um “auxiliar permanente da Justiça, pois possui vínculo direto ao Tribunal de Justiça.” Os oficiais “cumprem a função de executar as ordens emanadas pelos juízes (mandados judiciais).” O artigo 143 do Código de Processo Civil Brasileiro, ao enumerar suas funções, diz: “II. Executar as ordens do juiz a que estiver subordinado”.

“É comum se dizer, no âmbito jurídico, que o “Oficial de Justiça” é a longa manus do Magistrado, ou seja, as mãos do Juiz. Isso porque é ele quem executa, de forma efetiva e material, as determinações que o Juiz registra no mandado. É esse servidor executante de mandados quem transforma as palavras do Juiz em ações concretas, visando a efetivação material por meio do processo. Trata-se do cargo mais importante na classe dos serventuários da justiça, uma vez que, se o Analista Judiciário – Execução de Mandados não cumpre bem o seu munus, ou, por qualquer motivo deixa de fazê-lo, o processo não ganha a efetividade que nos tempos atuais se busca em caráter de extrema obsessão. Afinal de contas, de que adianta haver uma ordem se não existe quem a possa cumprir?”

Um dos atos mais praticados por este servidor são as citações, isto é, “atos pelos quais se dá ciência ao réu, de que uma ação foi ajuizada contra ele.”

Tomando esta comparação, podemos dizer que Cristo nos delegou este papel. Somos as mãos, os executores das ordens, decretos e palavras do Juiz Eterno. Recebemos dEle Suas decisões com respeito aos homens e principados e fazemos as devidas “citações.”

A figura que Jesus usa é a de ligar e desligar. Proibir e permitir (Mt 18:18). Trata-se de linguagem jurídica. O que Ele decidiu, notificamos, fazemos “citação”. O fato é que somos as mãos, a boca e os pés do Senhor e Juiz. É por meio da Igreja que “a multiforme sabedoria de Deus é conhecida dos principados e potestades nos céus” (Ef. 3:10).

INSEJEC, somos uma Igreja profética, levantada no tempo da restauração do profético e apostólico, para a tomada de territórios, de nações. Temos vínculo direto com o Supremo Tribunal de Justiça, pelo Espírito Santo, que em nós habita. Ele conhece as decisões tomadas pelo Supremo Juiz e no-las comunica, para que as executemos. Somos convocados a encarnar nosso papel de Seus Oficiais de Justiça na terra!

É você e eu, somos nós, aliançados pelo Sangue Remidor, que transformamos as palavras de YHWH, Supremo Juiz, em ações concretas. Somos os porta-vozes de Seus oráculos de bênção e juízo. Se mantivermos silêncio a Igreja será anêmica, impotente, sem vida, sem expressão. De fato se transforma em clube, onde cada um busca apenas os seus interesses e dá a Deus o resto de seu tempo. Por outro lado, nosso silêncio perpetuará o domínio das potestades da maldade na vida das pessoas.

Eis o veredito: “Certamente YHWH Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas (Amós 3:7).

Eis o comando: “Crede em YHWH vosso Deus, e estareis seguros; crede nos seus profetas, e prosperareis (2 Crônicas 20:20).

Nem todos na Igreja têm o ofício de Profetas. Mas temos Profetas entre nós. O povo da Nova Aliança é a geração de Joel na qual os “filhos e as filhas” e até os “servos e as servas” podem ser canais da palavra profética: “PROFETIZARÃO.” É A GERAÇÃO DO SOBRENATURAL, dos sonhos e visões. O sobrenatural se torna natural na Igreja que assume seu papel e destino proféticos.

O Oficial de Justiça do Supremo Tribunal de YHWH desempenha seu papel pela palavra profética. Por isso Paulo nos exorta: “Procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar” (1 Co 14:1). E acrescenta: Porque todos podereis profetizar” (1 Co 14:31). Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar” (1 Co 14:39). Por quê? Porque a palavra profética é nossa ferramenta de trabalho junto à Igreja: O que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação” (1 Co 14:3).

PORQUE A INSEJEC PROCLAMA DECRETOS

 A primeira vez que o Pai nos falou de decretos, foi em dezembro de 1991. Estávamos numa reunião de Diretoria do Ministério Palavra da Fé em Recife, discutindo mudança de estatuto. Enquanto o fazíamos, o Espírito de YHWH moveu-se sobre mim e comecei a profetizar na reunião. No meio daquela profecia, Deus nos deu uma palavra de um modo novo, para que a proferíssemos todos os dias do ano de 1992, como decreto:

“O Deus Eterno é a tua habitação e, por baixo de ti, estão os braços eternos; ele já lançou o inimigo de diante ti, e disse: Destrói-o. Mas o povo que conhece ao seu Deus se tonará forte e fará proezas” (Dt 33.27 e Dn 11.32).

Toda Palavra que procede da boca de Deus é um decreto, tem força de lei, mas em determinadas situações Ele, pelo Seu Espírito, extrai uma porção da Palavra e nos manda proclamá-la. Não é algo que buscamos na Bíblia porque achamos bonito. Mas, no momento em que o Espírito se move em nós e nos dá uma porção da Palavra para ser proclamada, é um decreto emitido no reino do espírito. Ele expressa uma promessa específica de Deus para uma situação específica, ou mesmo juízo sobre seres espirituais da maldade. E os decretos emitidos por Deus, trazem consigo Sua assinatura de autenticidade e são irrevogáveis. Quanto a nós, somos Seus porta-vozes, para que se executem.

Deus precisa dos nossos lábios. Através deles, Ele libera Seu poder na terra. O decreto é sempre aquela palavra extraída da Constituição do Reino, as Sagradas Escrituras, carregada da unção de Deus, porquanto inspirada pelo Espírito Santo. Tal palavra deverá ser liberada por nós. Somos nós que damos voz à Sua palavra na terra. Em assim procedendo nos transformamos em canais executores de Sua vontade, até que ela seja estabelecida. Enquanto estamos em comunhão com Deus, sintonizados com Seu coração, pelo ministério do Espírito Santo, Ele transfere ao nosso espírito Suas visões, planos e projetos. Cientes disso, proclamamos Sua palavra, seja de edificação, exortação, consolo, bênção, ou de juízo.

DECRETO DE JOEL 2:24,26

Um dos decretos mais proféticos e que motivou maior entendimento, jejum e oração, foi nos dado em 31.12.1992, há vinte anos, portanto. Encontrava em Campos do Jordão com um grupo pequeno do Corpo dirigente do Ministério Palavra da Fé. Pela primeira vez num jejum convocado de 21 dias, em rodízio, culminando com três dias coletivos de jejum total. Ali recebemos Joel 2:24,26 para gerar sobre a nação. Era um projeto de redenção que o Pai começava a nos confiar para trazer à luz, seguindo as estratégias dadas em Joel.

Começamos a proclamá-lo a partir de 01.01.1992. Mas só foi em novembro de 1993 que entendemos sua extensão, quando o Espírito de YHWH nos deu uma aplicação da profecia de Joel à história do Brasil. Quanta coisa este decreto nos trouxe!

  • ·      Um paralelo entre a quinta geração de brasileiros e àquela a quem a “narração” de Joel é feita. Considerando que a nação passa a existir no momento da sua Independência, e uma geração dura quarento anos, em 1982 teve início a quinta geração, da qual fazemos parte;
  •       Mobilização de intercessores para gerarem o decreto sobre o Brasil (10.000 se alistaram);
  •       Jejum, em rodízio, com esses intercessores, por sete anos ininterruptos;
  •       Atos proféticos com o trigo, vinho e azeite, que estão em nossos templos e casas como um memorial e ato profético, proclamando pelos símbolos a profecia;
  •       A série de ministrações proféticas: “Trigo, mosto e azeite;”
  •       O livro O Jejum e a Redenção do Brasil;
  •       Nasce a Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo (1994), em meio a jejuns de vinte e um dias, como guardiã e mantenedora das estratégias proféticas de redenção, a serem compartilhadas com o Corpo de Cristo;
  • ·      Com o nascimento da Igreja surge a Escola Bíblica na TV, que treina Guerreiros de Oração e busca formar uma geração profética. Inúmeros ministérios surgiram na nação e foram treinados por esse veículo. São vozes proféticas que se multiplicaram na nação;
  •       O cântico “Brasil, ouve, ó Brasil, tuas eiras se encherão de trigo”, que é um cântico profético;
  •       A proclamação sistemática do decreto: O BRASIL É DO SENHOR JESUS! Hoje acrescentamos: POR DIREITO DE CRIAÇÃO E DIREITO DE REDENÇÃO;
  •       Em 1995 fizemos um jejum coletivo em SP de 21 durante os quais oramos cada palavra de Joel. Foram necessários os 21 dias para concluir a oração do livro. Eu concluía um jejum de 40 dias, no fim do qual Deus nos dá um sinal na Ceia: Multiplicação das uvas;
  • O culto de sete dias e sete noites no fecho dos sete anos, num jejum coletivo de 10 dias. Eu completava o segundo jejum do período de 40 dias. Ali Deus nos dá Joel 2:28ss para proclamar por sete anos: “Depois disto, derramarei o meu Espírito sobre toda a carne…”
  •       Entramos na visão celular, como estratégia de Infantaria para tomar de assalto o território das casas. Depois de seguir, sistematicamente, estratégias de “Força Aérea”, no espírito da profecia de Joel, por sete anos, vem a estratégia da “Infantaria” através do evangelismo pelas células e discipulado contínuo pelos grupos de doze;
    • o   Realizamos o ato profético do “sepultamento de Roma”, rejeitando a estrutura da Igreja de programa. A que traz as marcas do clericalismo, tratando os discípulos como “leigos”;
    • o   Entendemos que a palavra do Espírito “é preciso romper com as velhas estruturas para conter o novo mover,” tinha a ver com o abraçar da estrutura da Igreja em células;
    • o   Trouxemos os pastores Castellanos ao Brasil, realizando a primeira Convenção da Igreja em Células (06/1999). Ali nos foi entregue a tocha da visão no Brasil;
    • o   Em agosto de 1999 engrossamos a caravana de intercessores proféticos mundiais que se posicionaram nos assentos da “Rainha do Céu” no mundo a fim de decretar a sua queda. Coube-nos Fátima em Portugal e Vaticano em Roma. Todos, cada um no seu posto, no preciso momento do eclipse do sol, na chamada operação “Palácio da Rainha”). Exatamente um ano depois do “sepultamento de Roma.” Conforme profetizado, na semana seguinte os mais terríveis terremotos abalaram a Turquia, assento de Diana.
    • o   Fomos a Éfeso, (hoje Turquia) às ruínas do templo da deusa Diana dos efésios. Fomos parte da companhia dos que, por quatro horas, proclamaram “Grande é Jesus de Nazaré.”
  •   Em 2002, no décimo ano de proclamação deste decreto, fui enviada a cruzar o Brasil e fazer o ato profético nos quatro pontos extremos da nação: Do Caburaí, ao Chuí, do Rio Moa ao Cabo Branco (Seixas). Também nos quatro pontos extremos do desenho do Plano Piloto em Brasília, em forma de cruz. Plantamos na terra o trigo, vinho e azeite e celebramos a Ceia do Senhor, como sinais proféticos de aliança entre o Brasil e YHWH. Uma semana de jejum e oração, cruzando os céus da nação (14-21/09). Na noite de shabat do dia 13, às 18h, em Brasília, o Pai me dissera: “A unção do Brasil é urgente e deve ser concluída até Tabernáculos!” Eu recebera a palavra através de uma Profetiza. Ela me informara que deveria ser antes das eleições. Eu ainda estava orando sobre a palavra. Agora o Espírito me fala diretamente e dou um pulo. Tinha uma semana. Os milagres ocorreram e quando encerrei o último ato profético em Brasília, eram 18h. Começava a Festa dos Tabernáculos.

PARÊNTESIS: Repentinamente, enquanto escrevia estas notas (11.02.2013), tive desejo, pela primeira vez, de pesquisar a expedição que confirmou ser o Monte Caburaí a parte mais setentrional do Brasil. Quando me ocorre isto, já sei que o Espírito quer chamar-me a atenção para alguma coisa. (http://www.guiaroraima.com.br/turismo/informacoes-turisticas/trilhas-a-rotas/1881-monte-caburai-o-brasil-comeca-aqui.html (com video)

http://www.clubedosaventureiros.com/guia-de-trilhas/97-guia-de-trilhas-do-parna-monte-roraima-rr/905-monte-caburai  (fotos)

Como cheguei ali naquela clareira, quatro anos depois? Parti de Brasília com uma ordem e, como de costume, em linha com a aliança que fiz antes de ir para o Seminário, sem fazer perguntas, pronta a obedecer. Olhando para trás, que “loucura” fiz! Chegando a Roraima, sabendo que não havia como subir o monte tão facilmente, segui a única alternativa: Ir a um cidade da Venezuela próxima à fronteira com o Brasil e alugar um helicóptero. O piloto apresentou o problema de violação de fronteira e de um radar que o detectaria. Insisti que ele fosse até onde pudesse. Quando sua bússola indicou o lugar, o pastor que ia comigo, e que fizera uma pesquisa quando lhe escrevi pedindo que se inteirasse de como eu poderia chegar lá, gritou espantado: “É aqui!” Chegamos a uma clareira. Lá estavam algumas tábuas, onde o piloto pousou o helicóptero. Eu não entendia porque o pastor estava como que fora de si. Ela me dera uma pastinha com alguma coisa impressa, mas eu não abrira. Nem mesmo sei o que aconteceu com ela. Provavelmente ficou no hotel em Boa Vista. Afinal era o relato da expedição e suas fotos. Estávamos exatamente na clareira aberta pelos expedicionários. Pousamos sobre as mesmas tábuas onde pousou o helicóptero das autoridades e do padre que celebrou a missa. Acabo de ler o relato e ver as fotos. Sou tomada de um choro intenso diante da soberania de YHWH e a consciência de que Ele proverá o que for necessário para que obedeçamos seus comandos. Ali plantei uma caixinha de zinco contendo uma Bíblia, trigo, vinho e azeite. Ungi a terra, o monte. Celebramos a ceia naquele lugar e proclamei com os elementos erguidos: “PAI, O BRASIL DE ALIANÇA CONTIGO DESDE O EXTREMO NORTE.” Assim o fiz nos demais lugares.

  • o   Em dezembro do mesmo ano, depois do Congresso Profético de Transformação em Goiânia, veio a unção de Brasília, a partir de uma visão dada ao Ap. Rony Chaves. Líderes Apostólicos da América Latina foram convocados a ungir suas nações.
  • ·      Muito mais poderia ser acrescentado, mas isto basta para reafirmar que a palavra profética funciona. Para despertar as novas gerações da Igreja, que não viveram os primeiros dias. Para ativar nos antigos a chama do primeiro amor, do fervor e paixão pela redenção nacional. Para chamar de volta a Igreja à sua primeira vocação profética e apostólica.

PROCLAMAMOS:

Brasil, “as tuas eiras estão se enchendo de trigo, e os teus lagares estão transbordando de vinho e de azeite. Estás comendo abundantemente, e te fartando, e louvando o nome de YHWH, teu Deus, que tem procedido para contigo maravilhosamente; e o povo de Deus em ti jamais será envergonhado.” (Joel 2.24-26).

PROFECIA DE JOEL

 Reportemo-nos ao que o Espírito Santo falou sobre o decreto de Joel. No décimo primeiro mês proclamando o decreto, estava em Campinas-SP (11/1993), pregando no Tabernáculo Batista, liderado pelo Pr. João Batista Martins de Sá, que foi o canal de Deus para ungir-me ao ministério pastoral. Um dia, orando no hotel, o Espírito falou-me: “Quero mostrar-te o Brasil na profecia de Joel”. Meu espírito se agitou. Comecei a ler com os olhos o que estava escrito, mas atrás de cada palavra meu espírito fazia outra leitura. Eu já havia Lhe dito: “Se me mostrares na Bíblia que o Brasil é dos brasileiros, como sei que Israel é dos judeus, nada me segura.” E Ele já me havia dado quatro cláusulas constitucionais para tanto (na Bíblia) (Ez. 47:21-23; Sl 11:16; At. 17:26,27a, Mt 28:18-20).

“PALAVRA de YHWH, que foi dirigida a Joel, filho de Petuel. Ouvi isto, vós anciãos, e escutai, todos os moradores da terra: Porventura isto aconteceu em vossos dias, ou nos dias de vossos pais? Fazei sobre isto uma narração a vossos filhos, e vossos filhos a seus filhos, e os filhos destes à outra geração” (Joel 1:1-3).

É YHWH quem fala! Pala carregada de autoridade. Um chamado à liderança da nação (anciãos) e a “todos os moradores da terra”. Uma convocação para que se deixe tudo e preste inteira atenção ao que Ele quer falar. Trata-se de uma “narração.” Um comunicado importante. No decorrer da profecia, logo se percebe que tem a ver com a revelação das causas, raiz das maldições que assolam a Pátria. Depois, a entrega da estratégia que tem poder de reverter o quadro. Falta trigo, vinho e azeite. Mas se a estratégia for seguida, haverá um transbordamento desses elementos. Como toda verdade é paralela, o Espírito nos quer falar sobre:

O TRIGO da Palavra revelada, que é espírito e vida e tem poder para tudo transformar. A Palavra que é uma Pessoa: Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo.

O VINHO NOVO do mover do Espírito Santo, que faz do crente alguém inteiramente possuído por Ele a fim de ser canal de execução dos projetos Divinos.

O AZEITE da unção que vem para despedaçar todo o jugo, rompendo com as fortalezas inimigas e arrasando-as até ao pó, sem possibilidade de reconstrução.

A quem se fará a “narração?” Certamente a uma geração-chave. A quem se comunica a causa do problema, também se confia a solução. E é aqui que o Espírito nos deu um paralelo extraordinário, e durante os dois últimos meses do ano foi trazendo de volta o decreto, com uma tônica de urgência. Somos a quinta geração que, pela iluminação do Espírito, entendeu a raiz espiritual das nossas maldições nacionais. Mas também recebeu a estratégia para revertê-la. O tempo se esvai. Nossa geração está passando. É dever cumprir o prazo para a conclusão da tarefa que nos foi confiada. Temos de legar à próxima geração uma nação marcada pelo que YHWH nos ordenou gerar.

Quando nasceu a nação do Brasil? A nação passa a existir como tal a partir de sua Independência. Antes de 7 de setembro de 1822 o Brasil era possessão portuguesa. Mas naquela data nasceu o Brasil soberano. Uma geração dura quarenta anos. Portanto, em que geração de brasileiros nos encontramos? Na quinta, que vai de 1982 a 2022. A narração vai passando de pais a filhos e para na quinta geração. Fazendo um paralelo com a história do Brasil, temos:

Fazei sobre isto uma narração (a 1ª geração, iniciada em 1822). A vossos filhos, (a 2ª geração, iniciada em 1862). E vossos filhos a seus filhos, (a 3ª geração, iniciada em 1902). E os filhos destes (a 4ª geração, iniciada em 1942) à outra geração (a 5ª geração, iniciada em 1982). Aqui para o profeta. Entendi, pelo Espírito, que Ele se deteve na presente geração. Que privilégio!

1982 foi quando, em África, fui batizada no Espírito Santo. Ano de tremendas revelações. De avivamento pessoal. Uma revolução teológica e uma experiência transformadora, de forma definitiva, com o Espírito Santo. Que ano! Li o Novo Testamento doze vezes e duas o Antigo. Dezenove vezes o livro de Atos, na busca incessante de um novo nível de experiência que me habilitasse a desenvolver o ministério numa nação agonizante, em guerra e comunismo. Uma profunda crise que me levou a trancar-me determinada: “Não como, não prego, não ensino, não saio daqui até me dares revelação. Sinto-me impotente nesta África, vendo morrerem todos quantos levo ao hospital.” No segundo dia Ele veio! “Buscar-mei-eis e me achareis, quando me buscardes de todo os vosso coração.”

A despeito dos sete anos de jejum e oração intensos, sustentando o decreto, ele se tornou um decreto permanente. Quer pela proclamação verbal ou pela presença dos elementos silenciosos em nossos templos, casas, ou plantados na terra, e até mesmo no Monte das Oliveiras.

UM NOVO TEMPO

 Finda o ano 2012. Por vinte anos temos mantido vivo o decreto diante do Trono. Entramos no vigésimo primeiro. Em dez anos a quinta geração chegará ao fim. Que papel teremos nesta última década da geração? Ó INSEJEC,

“torna a levantar as mãos cansadas, e os joelhos trôpegos, e faz veredas direitas para os teus pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado” (Hb 12:2,3).

Tens nas mãos as chaves do Reino para arrancar e plantar, destruir e construir, prender e soltar, proibir e permitir. Usa-as para arrancar os perdidos do inferno e plantá-los no Reino de Deus. Para destruir fortalezas inimigas e construir os projetos de YHWH. Para prender potestades e liberar a bênção de Deus sobre multidões. Para proibir o que se opõe à vontade do Pai e permitir o livre fluir de Sua graça. E isto a nível pessoal, familiar, ministerial, na cidade, Estado e nação. É parte de tua missão como Oficial de Justiça de YHWH.

Somos responsáveis por conquistar o território que nos foi confiado por YHWH. A obra não acabou. Não há lugar para depor armas. Eu te advirto: OS MUITOS DECRETOS SAÍDOS DOS TEUS LÁBIOS TE FAZEM CONHECIDA NO MUNDO ESPIRITUAL. Já deste tantos gritos de guerra, que o inimigo te conhece bem. Não tens escolha: Ou avanças até à vitória final, ou serás destruída. O inimigo te odeia. Se depuseres as armas; se te tornares passiva, acomodada; se abandonares a missão que te foi confiada, morrerás frustrada no deserto. O inimigo se aproveitará de tua fraqueza e investirá para que fiques fora de combate. Ouve hoje a palavra YHWH: “Esforça-te, e não desfaleçam as tuas mãos; porque a tua obra tem uma recompensa” (2 Cr 15:7).

Quantas pontes inacabadas! Quantas construções pela metade! Quantas desistências no caminho! Quantos joelhos trôpegos e mãos vacilantes! Quantos joelhos não mais se dobram em oração! Quantas mãos já não se erguem, como outrora, em adoração! Quantos lábios que já não emitem os decretos de YHWH, que não profetizam e dão gritos de guerra! Quantos penduraram as chuteiras e removeram a armadura protetora! Quantos embainharam suas espadas, fazendo silenciar “a palavra da fé que pregamos.” No entanto ainda há um caminho a percorrer rumo ao alvo de ver a nação aos pés de Cristo. Aqui é oportuno trazer à memória a Palavra de YHWH:

“Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele” (Hb 10:38).

Portanto, todos quantos formam a INSEJEC, ouvi a palavra de YHWH neste começo do 21º ano de proclamação do Trigo, Mosto e Azeite:

“Fortalecei as mãos fracas, e firmai os joelhos trementes. Dizei aos turbados de coração: Sede fortes, não temais; eis que o vosso Deus virá com vingança, com recompensa de Deus; ele virá, e vos salvará. Então os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvidos dos surdos se abrirão. Então os coxos saltarão como cervos, e a língua dos mudos cantará; porque águas arrebentarão no deserto e ribeiros no ermo. E a terra seca se tornará em lagos, e a terra sedenta em mananciais de águas; e nas habitações em que jaziam os chacais haverá erva com canas e juncos. E ali haverá uma estrada, um caminho, que se chamará o caminho santo; o imundo não passará por ele, mas será para aqueles; os caminhantes, até mesmo os loucos, não errarão. Ali não haverá leão, nem animal feroz subirá a ele, nem se achará nele; porém só os remidos andarão por ele. E os resgatados do Senhor voltarão; e virão a Sião com júbilo, e alegria eterna haverá sobre as suas cabeças; gozo e alegria alcançarão, e deles fugirá a tristeza e o gemido” (Is. 35:3-10).

Quanta bênção desencadeada quando nossos joelhos estão posicionados firmes, em oração. Nossas mãos erguidas em adoração. Nossas bocas proféticas anunciando os oráculos de YHWH. “Fortalecei… firmai… dizei…” São comandos que pedem de nós uma resposta que nos move ao exercício, à perseverança, à ação.

INSEJEC, assim fazendo, nesta nova fase, tu serás o canal para que essas promessas se convertam em realidade na vida de incontáveis. Firma-te, pois, na tua unção profética. Abraça com firmeza e constância teu destino profético na nação que Deus te confiou. Como Oficial de Justiça do Supremo Juiz, sê Seus pés, mãos e boca na terra, para a redenção de muitos e a glória do nosso Deus e Pai, a quem devemos a vida.

CICLOS DE 21 ANOS

 Percebi algo em minha vida e ministério. Deus trabalha por ciclos. A cada sete anos um novo marco e a cada 21 um novo desafio. Como se a cada sete anos houvesse uma completude de facetas da missão, e a cada três períodos a completude de um tempo necessário à realização de algo definido.

Primeiro e Segundo Chamados

 Logo de entrada, meu chamado para o ministério ocorreu no dia 9 de fevereiro de 1964, com a morte de tia Caíta, ao completar 33 anos. Era uma adolescente de 16 anos, em Tocantínia-GO. Pela primeira vez ouvi a clara voz de YHWH em meu espírito, como se fosse alguém me sussurrando ao ouvido:

- Um obreiro tombou no meio da batalha. Quem o substituirá?

- Eu! Respondi prontamente.

Nem um minuto de diálogo. Mas dali parti, para cumprir o chamado, com a determinação dos que se encontraram com Deus.

21 depois estou em Pretória, na África do Sul (04-09/02/1985), numa Escola de Ministério com Morris Cerullo. A partir da noite do dia 07 até o início da tarde do dia 09, passei pelo dramático chamado de volta ao Brasil e o comando para ir, primeiro, a Israel. Já estava fora da Junta de Missões Mundiais da Convenção Batista Brasileira. Completara o primeiro chamado focado em África, como missionária dos batistas brasileiros e, agora, recebia um novo chamado, dramático, inconfundível, aterrador, com foco no BRASIL:

- “Tenho um ministério para ti no Brasil. Treina-me um exército… Teu tempo na África foi de treinamento…”

Conversão e Definição do Ministério Profético

 Encontrei-me com Cristo em 1963. Vinte e um anos depois (14.11.84), no primeiro jejum de 14 dias, num retiro pessoal, Deus me fala através de Ezequiel 3, iniciando o chamado de volta ao Brasil:

“Eu te envio a um povo de língua familiar…”

Ministério Batista e Para o Corpo

Inicio o novo ministério em janeiro de 1986. Vinte e um anos depois, estou no deserto da Califórnia, em um sabático de estudo, quando o Pai me mostra um padrão em minha vida: ciclos de 21 anos. Foram 21 anos no primeiro ministério (batista), culminando com um ano de estudo na África do Sul. O segundo, no Brasil, 21 anos, também culminando com um ano de estudo, desta vez nos Estados Unidos. Ao mostrar-me isto, enquanto orava, caminhando no monte, Ele diz-me: “Este é um padrão em tua vida. Cumprirás o ano sabático que dará início ao próximo período.”

Durante aquele ano, não apenas completei os mestrados em Liderança Organizacional e Ciências da Religião, mas devotei todo um ano a escrever o que se converteu na tese de doutorado em teologia: “A Igreja de Cristo: Sua natureza, Missão, Estrutura e Liderança.” Ali estava, finalmente, a base da ECLESIOLOGIA DA INSEJEC e a plataforma para os materiais de discipulado e formação de liderança na Igreja.

Ministério Palavra da Fé X Brasília

 Em 1987 nasce o Ministério Palavra da Fé, em Recife, onde recebi o treinamento teológico antes de partir para África. Nasce com uma visão redentiva para toda a nação. Como MPF mobiliza intercessores, treina guerreiros, recebe estratégias, comandos e palavras de que a redenção do Brasil é total. Deve atingir todas as esferas de uma sociedade moderna. Veremos o Reino de Deus afetando todos os seguimentos da sociedade através de líderes proféticos. Trazemos diante nós, do Presidente da República ao vereador. Cada município, Prefeito, TODA A NAÇÃO. Somos engravidados do avivamento nacional e usamos nomes, mapas e bandeiras como sinais que nos guiam em muitos jejuns e oração. A voz do Espírito nos direciona o agir:

“A REDENÇÃO DO BRASIL VIRÁ PELA IGREJA!”

Vinte e um anos depois, 2008, Deus me fala no Monte Carmelo, em Israel, que chegara a hora de plantar-me em Brasília. Sua voz já se fizera ouvir em 2002: “A REDENÇÃO DO BRASIL PASSA POR BRASÍLIA.” Começava um novo ciclo, um novo tempo no projeto de redenção. Desta vez, a partir de Brasília. Fui proibida de viajar.

A partir do dia primeiro de janeiro de 2009 plantei-me ali. Permaneci no templo todo o ano, mobilizando as vinte e quatro horas de oração na “Sala do Trono.” Adoração foi o grande foco. Um ano adorando, profetizando sobre o mapa o trigo, o mosto e o azeite, a partir do assento dos três poderes da República. Onde as decisões são tomadas e a partir de onde os comandos nacionais partem.

O inédito aconteceu. O próprio governador do Distrito Federal foi preso e desencadeia-se uma operação limpeza.

A sede da INSEJEC-MUNDIAL é transferida para a capital do Brasil. Convoca-se a INSEJEC para subir a Brasília numa data dada pelo Pai, em sonho profético: 20.01.2010. Findo o ano reclusa em adoração, vem um ano que me leva a toda a nação numa campanha presidencial da ungida serva de Deus, Marina Silva. Toco a trombeta de cidade em cidade compartilhando o que Deus dissera e o que fora feito nos anos anteriores pela redenção do Brasil, que passa necessariamente pelo Governo. E toda a INSEJEC jejua e ora, enquanto eu viajo. Ver alguém cheio do Espírito Santo, movido pelo temor de YHWH, na Presidência, deixou de ser um sonho, para tornar-se uma possibilidade.

Vivemos esse período em que nos envolvemos em nível de governo. Vários dos nossos pastores e discípulos estão na política e influenciando suas cidades neste nível. Mas isto é só o começo.

Ministério na TV

 No último sábado de junho de 1989 o ministério de TV teve início. Vinte e um anos depois (2010), tornou-se um fardo, uma vez que a base agora era Brasília e tudo estava em São Paulo. A sede havia sido vendida. Assim o jeito era ir repetindo programas velhos. Eu estava envolvida em um novo projeto: a campanha presidencial de Marina. Aquele era meu foco central, sob comando e manto do Trono. 2011 foi ainda pior. Tive que assumir a Igreja em São Paulo numa fase em que ficamos sem instalações. Vivi numa ponte aérea entre SP e Brasília, para além das viagens internacionais: Bogotá, Moçambique, Angola, Israel e Japão. Meu coração se concentrava em trabalhar uma Igreja em células, que pode sobreviver sem prédio. Era também o Ano do Alinhamento em toda a INSEJEC, quando o Espírito deixou claro que não podemos ter duas visões. Não havia lugar para a televisão. Investir na base da INSEJEC-SP demandava tempo e foco. Assim o ministério na TV ficou em segundo plano.

Deus começou a falar de várias formas que a estratégia agora seria outra, nesta nova fase. Finalmente, criou uma circunstância para eu tomar uma decisão, entendendo que este ministério terminara. Quando fiz as contas, percebi que sairíamos no último sábado de junho (2012). 23 anos ininterruptos. Saiu de dentro de mim: “Os dois últimos foram fora do propósito!” O ciclo findara em junho de 2010. A partir de julho mergulhei 100% na campanha de Marina, depois fui a África e, ato contínuo, assumi São Paulo numa fase crucial, com o prédio vendido e sem um novo local.

Significado do Número Vinte e Um

O número 21 representa um estado de santidade, porque é o produto da multiplicação de sete por três. Sete fala do que é santo. Assim também o número três. O número 21 normalmente lida com uma Completude Divina de algum tipo.

Sem querer fazer um estudo exaustivo sobre o significado numérico na Bíblia, gostaria de destacar algumas coisas para nossa reflexão. Em nossa história ministerial, temos dois ciclos de vinte e um anos se fechando.

  • O primeiro, o decreto profético de Joel, sobre o qual temos um COMANDO DO ESPÍRITO SANTO PARA ESTE ANO DE 2013.
  • O segundo, o 21º aniversário da INSEJEC em 2015.

Toda esta reflexão, e muito mais que virá, neste documento, foi brotando dentro de mim gradativamente, após aperceber-me de algumas “coincidências,” ligadas ao XXI CONGRESSO PROFÉTICO EM ISRAEL (03-14/11/2012). Ocorreu na mesma data de minha primeira ida àquela nação (03-14/11/1985). Naquela altura o Espírito levou-me a registrar, em Jerusalém, toda uma retrospectiva dos últimos anos, começando com 1982, ano do meu batismo no Espírito Santo e da organização da Primeira Igreja Batista do Brasil, em Salvador (15.10.1882).

A data do 21º Congresso em Israel foi consequência de “complicações” das companhias aéreas, inteiramente alheia ao nosso controle. Foi a menor caravana: um ônibus com 50 peregrinos. A mais representativa, considerando o número: 21 pastores. Sete da INSEJEC e 14 de outras denominações. Tudo foi diferente. Até o guia não se interessava em fazer seu trabalho, dizendo: “O povo não está interessado em arqueologia. Eles querem é ouvi-la. E eu também!” Verdadeiramente ele não perdeu uma ministração. Ministrei todo o tempo, no ônibus e fora dele.

Vinte e um, pode-se dizer, é número da perfeição por excelência, 3 x 7, de acordo com a Bíblia. De acordo com a tradição antiga, cada número tem importância, por exemplo:

Três é o número de completude perfeita para os judeus, e para cristãos simboliza a perfeição da Divindade—a Santíssima Trindade.

SETE: Perfeição espiritual e plenitude ou conclusão, completude. É o número de Aliança e do Espírito Santo. Sete é o segundo número perfeito. Em hebraico sete vem da  raiz shava, querendo dizer “estar pleno“. Sete é o número bíblico de conclusão e perfeição espiritual.

TRÊS (gimel), Plenitude Divina, integralidade, perfeição. A letra hebraica Gimel, que representa o número três (em hebraico os números são letras) tem a forma de um camelo. Significa ser levantado. O orgulho é seu lado negativo. Ser glorificado, ou elevado a uma posição de autoridade é seu lado positivo.

O número 21 (3X7) sugere “tempo”. A vinda do anjo a Daniel foi atrasada pelo Príncipe de Pérsia por 21 dias (Daniel 10:13). Jacó trabalhou 3 x 7 ou 21 anos para Labão a fim de obter duas esposas e duas servas, através das quais vieram à luz os filhos prometidos de Israel que são tão importantes na história da humanidade (Gênesis 29:15-30).

Por estas duas passagens, podemos também dizer que o número vinte e um fala de um limite pleno de tempo.

21 = 1 + 2 + 3 + 4 + 5 + 6, Relativos aos seis dias da criação. Vinte e um equivale à soma da semana de trabalho. Em muitos países hoje, quando uma pessoa alcança a idade de 21 anos, ela é adulta, responsável legalmente por suas ações. Reconhece-se que ela atingiu a maturidade plena. Fecha-se um tempo para dar lugar a outro.

O DECRETO DE JOEL E O FECHAMENTO DE UM CICLO

 Somos hoje chamados, pelo Espírito Santo, a ATIVAR tudo quanto foi gerado através do decreto de Joel 2:22-24. Este é o vigésimo primeiro ano. No dia 31.12.2013 completaremos VINTE E UM ANOS levantando a tocha deste decreto. O Espírito nos convoca a fazê-lo com o vigor e entusiasmo dos primeiros dias; com o entendimento do hoje; respaldados por tudo quando já veio à luz durante este período. Rumo à conclusão da tarefa, da completude do tempo, ciclo de gestação de Joel sobre a nação. Toda a profecia de Joel, conforme expressa no livro O Jejum e a Redenção do Brasil.

Retrospectiva: Acontecimentos Relevantes em 1993.

 Interessante é relembrar alguns acontecimentos em 1993, primeiro ano do decreto de Joel. Há o desencadear de eventos vários que verdadeiramente marcam uma nova época.

 v  01/93 – Palavra de YHWH:  “Cada um a receber investidura através deste ministério, deve andar na luz que lhe tenho dado.” Falava da necessidade de Júnior e Ielane serem batizados por imersão. Também o significado da aspersão: “Basta um pouco de Cristo; um pouco do Espírito.” Lembra como no mover do Espírito na década de sessenta, Igrejas aspersionistas tiveram a luz da imersão. Anuncia um tempo de investiduras ministeriais.

v  12.02.93 – Batismo por imersão de Raquel, Júnior, Ielane e sua mãe, Josefina. Surge uma definição teológica, dentro de um mover do Espírito.

v  30.04.93 – Ordenação ao Ministério Pastoral da missionária Valnice, seguida da ordenação de Júnior e Ielane (22.05.93). Pastores? Para onde o Senhor estava nos conduzindo? Onde há pastor, há Igreja.

v  Oferta de minhas economias de missionária (US $ 5.000,00) para o ministério de Morris Cerullo entre os judeus, que se torna semente da sede do Ministério Palavra da Fé. Dois meses depois recebemos de presente a mansão do casal Felício em São José dos Campos, que veio a ser a sede do Ministério e onde nasceu a INSEJEC. Na altura valia US $ 500.000,00, literalmente cem vezes mais do que a oferta dada. Vem, então, a palavra do Espírito Santo: “Desce ao Vale e ali falarei contigo.” SJC, capital do Vale do Vale do Paraíba, onde se assenta a senhora Aparecida, principado da idolatria, cuja escultura foi encontrada no rio Paraíba.

v  01.08.93 – Mudança da sede do MPF para São José dos Campos, sendo a sede dedicada em culto da Diretora em 01.09.93.

Como toda verdade é paralela, entendemos que a estratégia que estávamos recebendo, a partir da profecia de Joel, que depois chamamos “força aérea”, tinha seu paralelo na cidade. É a sede da Embraer, fabricante de aviões. Possui importantes centros de ensino e pesquisas. Só para citar os ligados à parte aérea: Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e o Instituto de Pesquisa & Desenvolvimento (IP&D), sendo um importante tecnopolo de material bélico, metalúrgico e sede do maior complexo aeroespacial da América Latina.

v  11.93 – Visão da redenção do Brasil na profecia de Joel e o papel da 5ª geração de brasileiros.

v  Uma unção para fazer jejuns de vinte e um dias veio sobre vários no Ministério Palavra da Fé. No escritório terminamos fazendo rodízio de jejuns totais de dez dias, sem trabalhar. Como vários queriam fazer jejum parcial de 21 dias, trabalhando, propus-lhe rodízio de dez, na cave de oração.

Já no final de 1993, um sinal considerável de restauração na economia do Brasil era patente. Em dezembro daquele ano o então Ministro da Fazenda, Fernando Henrique Cardoso, anuncia o programa de estabilização econômica, chamado Plano FHC, criando a URV (unidade Real de Valor), indexador que seria a base para a nova moeda, o real. Este fato foi uma espécie de divisor de águas nos anos que se sucederam na história econômica da nação. O real entra em vigor no ano seguinte, ano em que nasce a INSEJEC e a Escola Bíblica na TV. Seu idealizador, Fernando Henrique, foi eleito Presidente da República, por duas vezes, o que possibilitou a consolidação de toda a imensa manobra econômica visando, remover o caos econômico do Brasil. Seu sucessor, também por oito anos, conservou o que foi conquistado e partiu dali. Agora a nova mandatária também prossegue. Estabilidade econômica entrou na nação e a inflação desenfreada hoje é apenas parte da história passada.

E para completar esses acontecimentos, quinze meses em meio ao decreto de Joel vem o comando do Espírito para o surgimento da Igreja Nacional do Senhor Jesus Cristo (28.03.1194), com a missão de sustentar essa tocha de avivamento e batalhar pela redenção do Brasil e de todos os povos, usando as estratégias espirituais. Começando com jejum e oração. Adoração. Atos proféticos. Decretos. Adoração em Santidade… Com a Igreja vem a Escola Bíblica na TV que treina intercessores proféticos. Levanta-se uma nova geração de ministérios influenciados por seus ensinos e as vozes proféticas se multiplicam em nossa terra.

Nasce o livro “O Jejum e a Redenção do Brasil”, apresentando a estratégia do Espírito Santo a partir da profecia de Joel, aplicada ao Brasil. SIM, A INSEJEC NASCE COM UMA MISSÃO DEFINIDA. PARA MANTER UMA TOCHA. PARA SER UMA PLATAFORMA A PARTIR DA QUAL UMA ESTRAÉGIA SERIA DIVULGADA E USADA PARA REVERTER AS MALDIÇÕES NACIONAIS EM BÊNÇÃO.

Findos os primeiros sete anos de jejum e oração gerando o trigo, o mosto e o azeite, o Brasil já dava sinais de forte crescimento econômico e no número de Evangélicos crescia como nunca em sua história. Deus nos confia uma nova tocha na nação: A visão celular no governo dos doze, que tem sido usada para despertar milhares de ministérios. É a infantaria em ação, responsável por uma rápida multiplicação de discípulos, líderes e Igrejas em toda a nação.

Logo no ano do nascimento da Igreja recebemos o comando: “Tira meu povo de Roma e leva-o de volta a Jerusalém.” Pouco a pouco, em meio aos jejuns prolongados e muita oração, agora ligados ao treinamento de lideranças nos valores da Igreja em Células, entendemos pelo Espírito que:

  • Através da Força Aérea atingimos o principado da idolatria, que opera nos templos e escraviza pelo espírito da religiosidade.
  • Através da Infantaria atingimos o principado da feitiçaria, que opera nas casas e escraviza pelo espírito de imoralidade.

A revelação dessas coisas tornou-se a base do livro: “Adoração em Santidade.”

Agora, como na Igreja em Jerusalém, voltamos os olhos à estrutura de Igreja, no templo e nas casas, celebração e células, como uma forma de acelerar a conquista da nação para Cristo.

NOVO COMISSIONAMENTO

 Em 21 de janeiro de 2012 falei à INSEJEC. YHWH nos entregava nova missão. De fato não era nova. Está ligada à primeira. Falei e escrevi na altura sobre os avanços na nação e perguntei: “Temos algo a ver com tudo isto? Por certo. Tudo que Deus faz começa com um, dois, um pequeno grupo. Fomos pioneiros em muitas coisas. Muitos se nos seguiram na paixão pela oração, o jejum, a adoração, a guerra espiritual, e hoje são inúmeros os ministérios que sustentam a tocha pela redenção da nação. Todos têm um papel nesse projeto. A fidelidade de cada um, naquilo que lhe compete, permitirá o TODO DE DEUS para a nação.

Basta ouvir o modo como Ana Paula ora na esplanada dos ministérios em Brasília, na gravação do DVD número 5 do diante do Trono: Nos Braços do Pai, e ninguém terá dúvida das jovens vozes proféticas levantadas. Era o dia 13 de Julho de 2002, com um público de 1.200.000 pessoas. Até ali, ninguém no Brasil reunira tanta gente para um culto. Foi algo lindo que aconteceu naquela noite. Mais de um milhão de ali de joelhos, chorando pela nação… E eu fui convidada a fazer a oração de abertura! http://www.youtube.com/watch?v=RlkGURYdpDU ou http://www.youtube.com/watch?v=QWFf58phcd8 .

2002 foi o ano que Deus me falou: “A redenção do Brasil para por Brasília” (e ordenou-me voltar os olhos para a capital do Brasil). Ano dos atos proféticos nos quatro pontos extremos da nação. Da unção de mais de 500km de Brasília e nos assentos da maldade naquela cidade. Do decreto: “Brasília, capital da adoração, cidade de avivamento.” Da profecia sobre a vitória do PT. Do investimento na INSEJEC local e da queda do teto do galpão onde a Igreja se renuia e a morte de três pessoas. Era o 11º ano do decreto de Joel. Chegamos até ao sangue nessa batalha pela conquista da nação para Cristo.

A palavra que nos veio em janeiro de 2012 foi:

 “Assim como fomos chamados a mobilizar intercessores para orar pela redenção da nação com jejuns e decretos, proclamando por sete anos, em jejum ininterrupto, Joel 2:24,26, hoje YHWH NOS COMISSIONA A, NO MESMO ESPÍRITO, BATALHAR POR SETE ANOS, PELA RESTAURAÇÃO DO SEU ALTAR EM CADA FAMÍLIA DA IGREJA E DA NAÇÃO. Somos chamados a usar as mesmas armas espirituais para ver o culto doméstico como uma prática, um valor, em cada família, começando com a do pastor. O culto doméstico restaurado será a ferramenta de Deus para famílias edificadas segundo o Seu padrão.”

Destaco daquela correspondência, que todos fazemos bem em reler e ouvir, algumas declarações:

Dezembro de 1992 X dezembro de 2011

 1992: Em um jejum de 21 dias, culminando com os três dias coletivos com a diretoria Ministério Palavra da Fé, recebemos o decreto de Joel 2:24,26.

2011: Em um jejum de 52 dias, proclamado na INSEJEC, intercedendo pelas famílias, recebemos o decreto de Deuteronômio 6:4-9.

Quando recebemos o decreto de Joel, julgávamos ser só para 1993. Depois de nove meses o Espírito me deu o livro de Joel como um paralelo do Brasil e a base da estratégia a ser seguida. Nos anos seguintes fomos compreendendo que era um decreto para sete anos. E mesmo depois dos sete, ficou como um marco e um decreto permanente.

Agora, finda a Convenção - À MESA COM O PAI, o Espírito começou a imprimir em meu coração que se tratava de um tema e um decreto para os próximos sete anos. Aqui surge uma pergunta, acompanhada de lágrimas, temor e tremor:

 Hoje somos mil vezes maiores do que aquele pequeno corpo de funcionários do MPF. Encontrará Deus em nós o mesmo zelo, a mesma paixão, a mesma unidade, a mesma determinação para abraçar as estratégias que nos são dadas para que nossas famílias sejam resgatadas e o altar de Deus seja estabelecido em cada lar?

DECLARAMOS:

  • Um ciclo de sete anos (2012– 2018) sob o tema: À MESA COM O PAI – RESTAURAÇÃO DO ALTAR DE DEUS NA FAMÍLIA! Um ciclo de sete Convenções Anuais sob o tema: À MESA COM O PAI!
  • DECRETAMOS um jejum de sete anos no espírito do comando profético: “Santificai um jejum, convocai uma assembleia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa de YHWH vosso Deus, e clamai a YHWH” (Joel 1:14). “Tocai a trombeta em Sião (INSEJEC), santificai um jejum, convocai uma assembléia solene. Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento. Chorem os sacerdotes, ministros de YHWH, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó YHWH” (Joel 2:15-17a).
  • PROPÓSITO: A restauração da Família, começando pelo estabelecimento do culto doméstico de forma regular e consistente, a partir do primeiro dia do casamento, durante a vida dos filhos em casa e depois de saírem, até o fim da existência daquela família.
  • SINAIS EM CASA: Colocar como um sinal de proclamação profética, em cada casa, em lugar de destaque, o trigo, vinho e azeite e profetizar nos cultos domésticos:

“Família_____ (mencionar o nome da família),  as tuas eiras estão se enchendo do trigo da Palavra de Deus, e os teus lagares estão trasbordando do vinho novo do Espírito Santo e do azeite da unção que despedaça todo jugo. Estás comendo abundantemente, à mesa com o Pai, e te fartando, e louvando a YHWH teu Deus, que tem procedido para contigo maravilhosamente, e nunca mais serás envergonhada.” (Joel 2:24,26, parafraseado).

Ter dois quadros na parede: Um com os Dez Mandamentos e outro com Deuteronômio 6:4-9. As duas passagens devem ser memorizadas por todos os membros da família.

PROCLAMAMOS:

v  A família pertence a Cristo por direito de criação e de redenção.

v  Nada impedirá que o altar de YHWH seja restaurado em nossos lares.

v  O culto a Deus e o ensino de Sua Palavra começa em casa.

v  A primeira célula de evangelização é no lar.

v  O maior campo missionário começa nas casas, através de células familiares.

PALAVRA DO ESPÍRITO SANTO À INSEJEC: 2013 É TEMPO DE ATIVAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DA PROFECIA DE JOEL.

Aniversários X Retornos

 Compartilhei, nas últimas correspondências, como os eventos dos últimos meses me davam a impressão de um chamado de volta aos começos.

O “ATIVA BRASIL” ERA UM SINAL PROFÉTICO DO TEMPO DE ATIVAÇÃO QUE VIRIA A NÓS.

Aliás, toda a ativação profética feita pela nação foi em linha com tudo o que fizemos nos primeiros anos. Deus, em Seus misteriosos caminhos, nos faz voltar ao lugar primeiro da visitação, do comando, da palavra, para ativar, reavivar o que caiu no esquecimento ou na rotina fria. Até mesmo recordar-nos do nosso primeiro chamado. É preciso de vez em quando ouvir a voz do Espírito: “Tenho, porém, contra ti, que abandonaste teu primeiro amor… Lembra-te de onde caíste e volta à prática das primeiras obras…”

Tocantínia, lugar da primeira partida, para cumprir o primeiro chamado:

Em fevereiro de 2012, época de aniversário de meus dois grandes chamados, volto ao lugar onde cresci e de onde saí em 1965 para o Seminário. Vou a convite de minha mentora, missionária Margarida Lemos Gonçalves, para as comemorações do seu 85º aniversário, homenagem do governador a ela e início de uma nova missão, à frente do Colégio Batista, agora, do Governo, mas com o mesmo nome e valores. Revi minha mestra, referencial de vida, professora de jardim de infância e de Ginásio, aquela que me enviou ao Seminário. Confiou em mim, com apenas 17 anos. E recomendou-me para missões mundiais, com apenas 23 anos. Sua recomendação teve um grande peso em minha aceitação, por se tratar de alguém muito respeitada na denominação. De volta ao sertão! Decidi que voltaria para ter alguns dias “sentada aos seus pés” para beber do espírito daquela mulher de Deus.

Voltei poucos meses depois, mas para seu funeral. Cultos em três cidades: Palmas, Lageado e Tocantínia. Pela segunda vez no ano estou de volta à pequena cidade do sertão, às margens do Rio Tocantins, onde me converti, fui chamada e de onde parti aos 17 anos. Com a experiência e a maturidade de hoje, tentei mensurar a grandeza da obra de Deus em minha vida, do chamado, do sobrenatural, da maravilhosa graça Divina que me alcançou. Verdadeiramente Deus é TUDO em nós e através de nós, a despeito da nossa insignificância.

Passo em frente ao local (a casa não mais existe) onde fiz aliança com o Pai, antes de ir para o Seminário. “Sou serva. Um servo só faz duas coisas: obedece e confia. Deus, vou sempre Te obedecer, sem nunca Te questionar e confiarei em Ti em todas as circunstâncias.” Com esta aliança aquela jovem adolescente, sertaneja, órfã, sem sustento, partiu convicta de um chamado Divino, como simples serva. Ali estava 47 anos depois, sob um impacto indescritível, perguntando: “Pai, o que queres falar com este retorno aos começos?” Nem desconfiava que seria o padrão do ano.

No Ativa Brasil atravessamos de balsa o Rio Tocantins, para passar do Tocantins para o Maranhão. Disseram os colegas que fiquei como criança. A primeira cidade do Maranhão: Carolina, onde nasci. Ali fizemos o ato profético do Estado. Descalcei os sapatos e ali profetizei. Passara por lá, a última vez, em 1965, a caminho do Seminário. Toquei na água do Tocantins. Quantas vezes tomei banho naquele rio. Roupa. Atravessei de canoa. Nele fui batizada!

Israel e África, lugares da segunda partida, para cumprir o segundo chamado.

 03 a 14 de novembro de 1985 (1ª ida a Israel, quando Deus me leva a registrar uma retrospectiva e o que fala em cada lugar) x 03 a 14 de novembro de 2012 (21º Congresso Profético).

Desde que descobri a coincidência de datas fiquei alerta em meu espírito. Levei meu caderno no qual algumas profecias sobre minha vida, recebidas em África, foram registradas. Também o que Deus me falara na primeira ida. Também o que me falou no primeiro jejum no Brasil em meu retorno de África, onde recebi os primeiros comandos para o novo ministério profético na nação.

Curiosidades:

  • O registro de uma retrospectiva feita em 11.11.85 começa com ano 1988, quando fui batizada no Espírito, regressei de férias ao Brasil, recebi uma homenagem como a ex-aluna do centenário dos batistas brasileiros a ser homenageada. Todos os anos o Apóstolo Ivan me convidava para pregar no aniversário da Primeira Igreja Batista do Brasil. Disse muitos nãos. Este ano senti que deveria aceitar o convite do seu filho, o atual pastor, Apóstolo Milton. Portanto, 30 anos depois do centenário, estava eu pregando lá (15-16/10) sobre a natureza e a missão da Igreja. E hoje aquela Igreja está no G12 e seu apóstolo é meu colega de equipe no Brasil. Dr. Ivan trouxe à memória minhas profecias na Igreja, quando voltei de África.
  • Em 1985 fui de Israel para a África a fim de fazer as malas e vir de vez para o Brasil. Após o XXI Profético agora, passei em São Paulo só para trocar de mala e rumar no dia seguinte para África.
  • Em 1985, ao regressar de África, fui para um local em Goiânia a fim de jejuar e orar. Ali recebi de Deus os primeiros comandos, sendo o primeiro de começar treinando intercessores para gerar a redenção da nação. Levantar os Guerreiros de Oração seria o primeiro grande desafio. Agora, voltando de África, mergulhei no Ativa Brasil com a equipe apostólico profética, sob a liderança de um profeta sazonado. O que me ungiu apóstola de Jesus Cristo e sob cuja visão ungimos Brasília em 2002. Também o que profetizou que era tempo de voltar à África, porque Deus ma daria através dos filhos ministeriais.
  • Os três grandes eventos de novembro e dezembro (Israel, África e Ativa Brasil) coincidiram com vários aniversários. Para além da primeira visita a Israel:
    • 11.1963 – Convertida em casa havia cinco meses, fugi para o culto e tive minha primeira experiência de fé e como Deus responde a oração. (Aniversário em Israel)
    • 12.11.70 – Formatura no Seminário (Aniversário em Israel)
    • 27.11.70 – Nomeação como Missionária à África da Junta de Missões Mundiais da Convenção Batista Brasileira (Agora estava regressando da jornada missionária em Angola).
    • 14.11.84 – Chamada em Ezequiel 3 – “A um povo de língua familiar” em um retiro de jejum de 14 dias. Ali Deus me deu o esboço de “Um Homem Enviado por Deus.” (Agora partia de Israel para o Brasil).
    • 22.11.85 – Regresso definitivo ao Brasil (Agora treinando líderes em África num período de nove dias).
    • 25.11 – 25.12.85 – Jejum (agora ungindo pastores em Angola dia 25.11 depois, de 03 a 19 de dezembro, no Ativa Brasil, percorrendo a nação em jornada profética com uma companhia de apóstolos e profetas.
    • 11.90 – Mudança de Recife para São Paulo
    • 11.93 – Visão da estratégia de redenção do Brasil dentro da profecia de Joel.
    • 14-18.12.94 – Primeiro encontro dos pastores e líderes em Mariápolis, Recife, culminando com a ordenação de: Raquel Vieira, Socorro, Inocêncio, Graça, Alfran, Dayse, Gilberto, Louise, Adauto, Cássia, estes sócios fundadores do MPF e liderança desde a primeira hora; Hayte, Artilano e Robério. Foram provisionados, Gracita, Rivanda e Marilda. (Agora, no Ativa Brasil: Fortaleza, Recife, Salvador, Vitória, Rio e São Paulo). E o último ato profético no Ativa? 19/12, no templo da Senhora Aparecida, na viração do dia, sob o toque do shofar e os decretos de YHWH.

Doze de Dezembro de 2012 (12.12.12)

 Pedi no início do ano 2012 que todas as INSEJECs reservassem na agenda a data de 12.12.12, pelo seu significado. Uma data única em nossa existência. Aguardava do Senhor que tipo de comando viria. O comando veio dos nossos pastores Castellanos. Seriam 12 horas de oração pela nova geração, com a meta de um milhão de intercessores. Como temos o hábito de iniciar o dia ao por do sol do dia anterior, para nós seria do por do sol do dia 11 ao por do sol do dia 12.

No Ativa Brasil, parávamos para um culto profético nas cidades. Coincidiu que nossa passagem por Brasília foi a noite do dia 11. Logo, o início da convocação. O Ap. Hudson ficou responsável por mobilizar os pastores de Brasília para a passagem da caravana. Ele pediu-me para ser na INSEJEC, com o que concordei, com alegria, sabendo que Deus estava nisto. Era uma convocação com um ano de antecedência. Aleluia! Foi muita glória ter o Ap. Rony e toda a equipe ali em nossa sede, profetizando.

Quando pelos caminhos do Brasil, fui me dando conta das coisas que aqui compartilho, levantou-se uma curiosidade: O que Deus teria falado em 12.12.85! Era aniversário daquele primeiro jejum. Assim, quando cheguei a São Paulo, onde deixara meu caderno de registros, fui imediatamente ver o que estava escrito naquele dia. Fiquei assombrada! Embora fosse apenas o 18º dia de jejum, ali está o último registro, e contém apenas dez linhas. Não me lembro se não houve mais comunicação que devesse registrar. O fato é que está escrito (em inglês e apenas traduzo):

Josué 1:9 “Não to mandei eu? Sê forte, e corajosa; não temas, nem te assombres; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares.” (Está em vermelho. Mudei a caneta para registrar esta expressão).

Ele me ministrou profundamente através desta Escritura, assegurando-me que É ELE. Nada tem a ver comigo. Tenho simplesmente que CRER e OBEDECÊ-LO. (I have just to BELIEVE and OBEY HIM.”

Eu só podia rebentar em lágrimas de adoração e gratidão. Partira dali, em dezembro de 1985, para Brasília, onde estava minha mãe, com aquele caderninho de diretrizes, sozinha, mulher, solteira, sem uma organização, Igreja ou mesmo pessoa a respaldar-me. Mas com uma Palavra de YHWH e um registro.

Dois verbos me bastaram. Bastam-me e sempre me bastarão: CRER E OBEDECER. Isto traz implícito o fato de que Ele vai falar.

Hoje, passando o olhar pela história deste ministério no Brasil, de janeiro de 1986 a janeiro de 2013, só posso bradar:

Nada tem a ver comigo. Tenho simplesmente CRIDO e OBEDECIDO.

2012 De Volta aos lugares onde fases do Ministério começaram

  •  Carolina, onde nasci. Volto para profetizar em companhia da equipe apostólico-profética.
  •  Tocantínia, onde cresci. Represento os ex-alunos do Colégio Batista em todos os eventos de homenagem á minha mentora.
  •  Jerusalém, de onde de fato Deus me envia de volta ao Brasil. Estou ali para XXI Congresso Profético.
  •  África, onde sirvo em missões e sou chamada de volta. Ali estou treinando líderes, ministrando a jovens, igrejas, empresários, ricos e pobres e ungindo pastores.
  •  Goiânia, lugar do primeiro jejum, onde as diretrizes para o ministério no Brasil são dadas. Volto para profetizar com a caravana do Ativa Brasil. Em dezembro de 1985 saí dali para Brasília. Desta vez fiz o mesmo.
  •  Brasília, primeira parada vindo de África. Desta vez, volto à sede da INSEJEC. Recebo em casa a delegação de profetas e apóstolos. Banqueteamo-nos juntos. Aldenice oferta 40 litros de azeite para a unção pelo caminho (sistema de gotejamento). Ana abastece o ônibus de frutas e as muitas uvas que ornavam o templo. Eu oferto caixas de água de côco, doze travesseiros, pois o ônibus partiu para Palmas sem parar em hotel, e durmo em casa com uma nobre missão: lavar as camisetas sujas dos colegas. Fiz questão de fazê-lo. Jovanilda e Vielande passaram o ferro e segui de avião com a mala cheia das camisetas limpas e cheirosas, encontrando—s em Palmas! Estávamos exatamente na metade da jornada!
  •  Recife, primeira base do ministério. Volto no Ativa. Foi o único lugar onde um tremendo ato profético foi feito com o mapa, vinho, azeite, sal, sementes…. O povo mais animado! A INSEJEC em peso. O templo era do Ap. Ebenézer, mas ali estava a ornamentação com o trigo, mosto e azeite. Depois ele me escreveu um lindo e-mail de gratidão e reconhecimento. Relatou o que hoje é o seu ministério no Brasil e além, para dizer que é extensão do nosso. Suas primeiras palavras são: Quero expressar, particularmente, meu profundo apreço e amor por sua vida. Sempre te reconheci te respeitei e amei como uma mãe e profeta desta nação desde os gloriosos tempos no América, no Internacional e na INSEJEC em Recife, pois ali se deu minha forte experiência com Senhor. Por isso, me considero filho espiritual de seu poderoso e maravilhoso ministério.” Pensei nos pioneiros. Tudo que Deus fez a partir de Recife e de qualquer base foi através de um CORPO que Ele colocou ao meu lado. Posso ir à frente, mas apenas represento esse CORPO Ministério Palavra da Fé e INSEJEC.
  •  São Paulo, segunda base do MPF. Bem, comecei o ano lá, até entregar a Igreja aos novos pastores. Mas neste fim de ano de retornos, o Ativa Brasil começou ali e ali terminou.
  •  São José dos Campos, última base do MPF e lugar do nascimento da INSEJEC. Dia 30 de dezembro estava pregando na INSEJEC-SJC, recebendo de volta a Igreja, 17 anos após ter partido. E eis-me hoje, no silêncio desde lugar, no Shabat, sozinha nesta casa, escrevendo no mesmo lugar físico onde escrevi o Jejum e a Redenção do Brasil, dissecando a profecia de Joel. Não somente isto, mas tudo que aqui aconteceu naqueles primórdios. Tudo aqui dentro é igual. Móveis, quadros… Mas os discípulos da Igreja, em sua esmagadora maioria, não viveram aqueles dias. Não os conheço. Todavia Deus, na sua Soberania, determinou que a ATIVAÇÃO PROFÉTICA DO DECRETO E ESTRATÉGIA DE JOEL, DESTE VIGÉSIMO PRIMEIRO ANO, QUE COMPLETARÁ O CICLO DE GESTAÇÃO, DEVE PARTIR DE ONDE ELA NOS FOI CONFIADA E ABRAÇADA COM TODA DETERMINAÇÃO, AINDA QUE FÔSSEMOS TÃO POUCOS.

Eis-me aqui. Por quantos dias, semanas, meses…? Hoje, tudo o que sei, é: “Desce ao Vale e ali falarei contigo!”

Sim, DE VOLTA A SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, NO ANO DA ATIVAÇÃO DA PROFECIA DE JOEL, ONDE A INSEJEC NASCEU, escrevendo estas notas, para proclamar o que YHWH ORDENA: ATIVAR A PROFECIA DE JOEL NESTE SEU 21º ANO, EM TODA A INSEJEC.

ATENTEMOS, POIS, AOS COMANDOS, INCANANDO NOSSA VOCAÇÃO PROFÉTICO-APOSTÓLICA:

  1. Ativemos as profecias pelo jejum e oração, emitindo os decretos de YHWH;
  2. Voltemos a ler o livro O JEJUM E A REDENÇÃO DO BRASIL;
  3. Vigiemos para que cada discípulo dê de fato um dia semanal de jejum por semana.
  4. Geremos o trigo, vinho e azeite em cada família do Brasil;
  5. Ouçamos novamente a série Trigo, Mosto e Azeite no Acampadentro do período de Carnaval;
  6. Coloquemos os símbolos em cada lar, como sinal profético. A nação é feita por famílias.
  7. Como geramos pelo jejum, oração, arrependimento, atos proféticos e decretos o trigo, mosto e azeite sobre a nação, façamo-lo agora em cada família! Este comando se une ao de 21.01.2012. Fazem parte de um todo.
  8. Ativemos as salas de oração com mapas, bandeiras, nomes dos municípios e seus governantes.
  9. Intensifiquemos os turnos de oração para cobrir o maior número de horas de oração, ativando dias de oração, em santas convocações, correntes de oração e vigílias.
  10. Intensifiquemos as caminhadas de oração nas ruas, unção e decretos em lugares estratégicos.
  11. Cantemos com frequência a proclamação profética expresso no hino “Brasil, ouve ó Brasil, tuas eiras se encherão de trigo!”
  12. Ativemos o espírito profético e apostólico da Igreja!

 

VEJA MAIS

Decreto Apostólico
Festa dos Tabernáculos