Muito se têm ouvido falar sobre vida cristã, doutrinas diversas onde se prega sobre prosperidade, riqueza, vida abundante, e que Deus só está nos abençoando quando nossa vida é “um mar de rosas”.

Pesquisas apontam que muitos dos que hoje estão nos presídios, sanatórios e jogados pelas ruas em meio a vícios e misérias são ex-cristãos que se desviaram por terem se decepcionado com Deus.

O famoso versículo de Rm. 8: 37, que virou chavão no meio evangélico, “somos mais que vencedores”, tem levado muitos ao engano, desilusão e ao desvio de sua fé. Principalmente porque não esclarecem o que é ser um verdadeiro vencedor. Infelizmente temos visto ser apresentado um evangelho barato, diluído e desprovido de exemplos básicos deixados por Jesus Cristo. Um deles é aquele que diz em Jo 16:33, “No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo”. Esse é o primeiro passo para ser um verdadeiro vencedor. É ter consciência de que como cristãos, vamos sofrer sim, porque Jesus foi muito claro. “No mundo tereis aflições”. Ele não disse…. no mundo pode ser que um dia vocês venham a ter aflições…. Nós seremos afligidos! Como Ele mesmo foi. Mas não desistiu, não desanimou, e venceu. Talvez hoje, como cristão, você não consiga entender o porque das lutas que tem passado, mas na Palavra de Deus vemos pelo menos três bons motivos para o sofrimento e com certeza, muitos de nós tem passado ou já passou por algum deles, senão todos.
O primeiro motivo nós podemos ver na época dos Juizes. Quando o povo se desviava e passava a servir ídolos e se prostituir com outros povos. O Senhor dos Exércitos levantava uma nação inimiga para subjugar o povo. Desta forma, eles, derrotados e humilhados, voltavam a servir o Deus de Israel.
Vemos aí o sofrimento que vem através da correção, do Juízo de Deus, para salvar seu povo da perdição.
Um segundo motivo que podemos ver é para provar a nossa fé e nos levar a um nível de intimidade maior com Deus. Como no caso de Jó, que era um homem íntegro, temente a Deus, que se desviava do mal, mas ainda lhe faltava uma coisa: Conhecer a Deus face a face! Aqui já vemos um tipo de sofrimento que nos eleva espiritualmente, pois nos faz ver a Deus de forma mais intensa.
E o terceiro motivo é para entender melhor o sofrimento das pessoas que estão ao nosso redor. Quando sofremos, nosso coração fica mais sensível à dor do próximo. Quando passamos por tribulações, aflições e lutas, podemos compreender melhor, nos identificar com o sofrimento do outro, e dessa forma ser canais do amor de Deus aqui na terra.
Esse é o sofrimento que nos faz ser semelhantes Ele.
O próprio Senhor Jesus escolheu sofrer para nos mostrar o caminho da vitória. Quando aprendermos a fazer das nossas dores, degraus que nos aproximem do Pai, a nos alegrar e glorificar a Deus na tribulação, aí sim, alcançaremos o Seu propósito para nossas vidas.
Eu não estou aqui levantando uma bandeira em defesa do sofrimento, mas ser mais que vencedor em Cristo, não é ser bem sucedido, rico, ou isento de problemas. Ser mais que vencedor é quando no meio da provação conseguimos levantar a cabeça, olhar para Deus e prosseguir seguro para o alvo que nos foi confiado, sem esquecer de que tudo passa, mas a Palavra do Senhor permanece para sempre.
“…depois de terdes sofrido por um pouco, Ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.”  I Pe. 5:10
Rossana Baldan